Casa Branca questiona lealdade e amizade da França

As já desgastadas relações franco-americanas deterioraram-se ainda mais depois que a Casa Branca questionou se a França é ou não uma nação amiga e aliada. A administração do presidente George W. Bush reagiu aos informes de que o ministro de Relações Exteriores da França, Dominique de Villepin, teria se recusado a dizer se Paris gostaria ou não de ver a uma vitória da coalizão anglo-americana na guerra contra o Iraque."Eu simplesmente não posso imaginar que qualquer nação que seja um aliado nosso não tenha uma posição sobre isso. É importante que Saddam Hussein seja desarmado", disse o porta-voz da Casa Branca Ari Fleischer."Eu certamente não imagino que qualquer nação, mesmo aquelas que não nos apoiaram em nossas ações no Conselho de Segurança da ONU, possa expressar qualquer coisa que não seja a esperança de que a coalizão seja um sucesso", disse o porta-voz.Fleischer disse que estava sendo "diplomático" em sua resposta, mas seu comentário pareceu um possível questionamento sobre se a França ainda era um aliado dos EUA.Na quarta-feira, De Villepin fez um discurso em Londres e, na seqüência, quando foi questionado por jornalistas sobre se ele queria ver uma vitória da coalizão anglo-americana na guerra, o chanceler francês recusou-se a dar uma resposta explícita.Ao invés disso, De Villepin disse aos repórteres que eles deveriam ouvir suas declarações mais atentamente.Hoje, o Ministério de Relações Exteriores da França foi forçado a emitir uma nota curta: "Os EUA, nós esperamos, vencerão essa guerra rapidamente", declarou o governo francês.Contudo, o estrago na relação entre os dois países já estava feito.Mesmo antes do comentário de De Villepin, as relações da França com EUA e Grã-Bretanha já estavam bastante estremecidas, mas até então a Casa Branca declarava repetidamente que considerava a França como uma nação amiga e aliada. Veja o especial :

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.