Casa Branca reitera pedido de eleições na Venezuela

A Casa Branca reafirmou nesta segunda-feira seu pedido ao governo do presidente Hugo Chávez, de que sejam celebradas "eleições antecipadas" como solução para a crise na Venezuela, e disse que este era um procedimento previsto pela Constituição venezuelana. "Exortamos o governo a exercer suas responsabilidades constitucionais", disse o porta-voz Ari Fleischer. "Tudo o que temos pedido está de acordo com a Constituição da Venezuela". O pedido inicial de eleições antecipadas foi formulado pelo presidente George W. Bush na sexta-feira em uma declaração escrita, que continua vigorando agora, disse Fleischer aos repórteres. Asdrúbal Aguiar, assessor da Coordenadoria Democrática, o conglomerado das frentes opositoras venezuelanas, disse em Washington que se Chávez renunciar ao cargo seriam convocadas eleições para dentro de 30 dias, seguindo, em sua opinião, diretrizes igualmente constitucionais. Interrogado sobre se os EUA estariam prestes a se pronunciar sobre uma eventual renúncia de Chávez, Fleischer não tratou da pergunta de forma direta. Disse que o governo de Bush estava em busca de "eleições antecipadas no sentido de que, supostamente, haja um referendo que possa realizar-se antecipadamente e que seja o reflexo da manifestação da vontade popular". "Este é o processo que se antecipa na Constituição venezuelana", declarou. A oposição, que coordena uma greve nacional que entrou em sua terceira semana, está propondo um referendo consultivo para que os venezuelanos se pronunciem sobre se consideram ou não necessária a renúncia do presidente. O embaixador venezuelano perante a Organização dos Estados Americanos (OEA), Jorge Valero, denunciou que a oposição estava tentando agora tornar esse referendo "revogatório" do mandato presidencial - algo previsto pela Constituição venezuelana, mas só a partir da metade do mandato presidencial. No caso de Chávez, a metade do mandato se completa em agosto de 2003. O pronunciamento de Bush na sexta-feira coincidiu com o início de uma sessão do Conselho Permanente da OEA, formado pelos 34 embaixadores perante a organização, para emitir uma resolução sobre a crise venezuelana. O debate foi suspenso no sábado de madrugada e os embaixadores foram convocados a retomá-lo hoje. "Enquanto a comunidade hemisférica e outro amigos se empenham em fazer todo o possível para ajudar, só os venezuelanos podem resolver seus próprios problemas", disse Bush. "Os EUA estão convencidos de que a única via pacífica e politicamente viável para sair da crise é a realização de eleições antecipadas".

Agencia Estado,

16 Dezembro 2002 | 19h23

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.