Casa Branca rejeita acusações de que não pressiona Israel para encerrar ataques

A Casa Branca defendeu nesta quinta-feira sua posição sobre a crise no Oriente Médio, rejeitando as alegações de que o governo americano não está pressionando Israel a encerrar seus ataques contra militantes do Hezbollah no Líbano, que já deixaram centenas de civis mortos. "Acreditamos que o Hezbollah foi longe demais ao capturar soldados no sul do Líbano", disse o secretário de imprensa da Casa Branca, Tony Snow.Segundo ele, representantes dos Estados Unidos estão envolvidos ativamente nas negociações para pressionar o Hezbollah e seus patrocinadores, a Síria e o Irã. Dois enviados do governo americano viajaram para a região e o presidente George W. Bush tem conversado com líderes locais, incluindo uma conversa de 12 minutos com o primeiro ministro da Turquia Recep Tayyip Erdogan, disse Snow Said.Snow se recusou a fornecer detalhes sobre as conversas de Bush com líderes da região, mas disse que os Estados Unidos querem um cessar-fogo que assegure a integridade do governo libanês e que o Hezbollah pare de lançar foguetes contra Israel.Durante um jantar com o secretário-geral da ONU, Koffi Annan, nesta quinta-feira, em Nova York, a secretária de Estado Condoleezza Rice pretende discutir os esforços diplomáticos para encerrar a violência e a possibilidade de enviar tropas internacionais para restabelecer a paz. Annan pediu ainda nesta quinta-feira o fim imediato das hostilidades no Líbano para salvar a vida de inocentes, permitir o acesso de ajuda humanitária e dar uma oportunidade à diplomacia.O porta-voz do Departamento de Estado, Sean McCormack disse que Rice viajará para o Oriente Médio na semana que vem para procurar maneiras de encerrar a violência. Segundo ele ela irá "abordar a situação tática mas também as causas do conflito".Aprovação do Congresso A Câmara dos Deputados dos Estados Unidos também aprovou nesta sexta-feira, por larga maioria, uma resolução de apoio a Israel e que condena seus inimigos, em uma mostra clara da posição de Washington sobre a crise.Com uma maioria de 408 votos a favor e oito contra, os legisladores americanos deram seu aval à resolução que expressa o direito de Israel de se defender. A solidariedade e falta de divisões entre republicanos e democratas sobre a questão, demonstra que a relação dos Estados Unidos com Israel é "única", como definiu o líder da maioria republicana, John Boehner.O texto aprovado hoje, muito similar ao que foi passado na terça-feira pelo Senado, condena com firmeza os inimigos de Israel e também a Síria e o Irã por proporcionar ajuda econômica à guerrilha libanesa e a tecnologia necessária para realizar seus ataques.

Agencia Estado,

20 de julho de 2006 | 18h35

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.