Casa Branca se diz preocupada com violência na China

A Casa Branca pediu à China que aja com "moderação" na província de Xinjiang, no noroeste do país, ao se dizer "profundamente preocupada" com os confrontos que deixaram mais de 150 mortos no país. "Nós estamos profundamente preocupados com os relatos de muitos mortos e feridos pela violência em Urumqi, no oeste da China", disse hoje, em comunicado, o porta-voz da Casa Branca, Robert Gibbs.

ANDRÉ LACHINI, Agencia Estado

06 de julho de 2009 | 17h52

"Os relatos, até agora, não estão claros sobre as circunstâncias das mortes e dos feridos, então seria prematuro especular ou comentar mais sobre o assunto. Nós pedimos a todos em Xinjiang que exerçam a moderação." Pelo menos 828 pessoas ficaram feridas pela violência em Urunqi, de acordo com os relatos, que citam choques entre forças de segurança e manifestantes, e entre integrantes da etnia Uigur, que falam uma linguagem turca, contra chineses da etnia Han, que formam a maioria da população da China. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
ChinaprotestosCasa Branca

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.