Casa Branca tenta distanciar Bush de empresário indiciado

A Casa Branca tenta estabelecer a maior distância possível entre o presidente George W. Bush e o executivo da Enron, Kenneth Lay, indiciado em meio à investigação do colapso da companhia. Lay foi um doador de recursos para a campanha de Bush e chegou a ser apelidado pelo presidente de ?Kenny Boy? (?Kenny Garoto?) quando os dois eram amigos no Texas. Já faz ?um bom tempo? que Bush e Lay não conversam, disse o porta-voz Scott McClellan, esquivando-se de perguntas sobre a amizade entre ambos. ?Ele nos apoiou no passado, e ele é alguém, eu gostaria de destacar, que apoiou tanto republicanos quanto democratas no passado?, disse. No entanto, Lay certamente preferia o partido de Bush: ele e sua mulher, Linda, doaram US$ 882.580 a candidatos entre 1989 e 2001, sendo apenas 86.470, cerca de 10%, a democratas, segundo o Centro para Política Responsável.McClellan recusou-se a discutir o indiciamento que acusa Lay de um amplo esquema para fraudar o público, os acionistas e as agências do governo a respeito da empresa que fundou, ergueu e comandou até o colapso.

Agencia Estado,

08 de julho de 2004 | 17h55

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.