AFP PHOTO / YE AUNG THU
AFP PHOTO / YE AUNG THU

Casa da líder de Mianmar é atacada com coquetel molotov

Aung San Suu Kyi não estava no local no momento da ação; ninguém ficou ferido pelo artefato

O Estado de S.Paulo

01 Fevereiro 2018 | 05h06
Atualizado 01 Fevereiro 2018 | 08h27

YANGUN, MIANMAR - Um coquetel molotov foi lançado nesta quinta-feira, 1.º, na residência de Aung San Suu Kyi em Yangun, onde a ganhadora do prêmio Nobel da Paz passou vários anos em prisão domiciliar, anunciou o porta-voz do governo de Mianmar.

+ Para entender: A minoria rohingya, maior população apátrida do mundo

"Foi um coquetel molotov", confirmou o porta-voz Zaw Htay. Ele disse que a líder não estava no local no momento do ataque e não deu detalhes sobre a motivação. Ninguém ficou ferido pelo artefato incendiário, que provocou danos materiais pequenos.

+ ONU eleva número de novos refugiados rohingyas em Bangladesh para 582 mil

Suu Kyi está nesta quinta-feira na capital de Mianmar, Naypyidaw, onde vive a maior parte do tempo. Ela deve fazer um discurso para marcar os dois anos de seu partido - Liga Nacional pela Democracia (NLD) - no poder.

Depois de permanecer na dissidência por quase 30 anos, 15 deles em prisão domiciliar, Aung San Suu Kyi chegou ao poder em abril de 2016 após uma grande vitória eleitoral.

Apesar de ter se tornado um ícone em seu país, hoje a líder é muito criticada no cenário internacional por sua gestão da crise dos rohingyas.

Quase 690 mil membros desta minoria muçulmana que moravam na região oeste de Mianmar buscam refúgio em Bangladesh desde o fim de agosto para fugir de uma operação do Exército de Mianmar, chamada de campanha de "limpeza étnica" pela ONU. / AFP

Mais conteúdo sobre:
Aung San Suu KyiMyanmar [Ásia]

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.