Casa de missionário brasileiro é atacada em Timor Leste

Um dos cerca de 180 brasileiros residentes no Timor Leste teve a sua residência atacada, em Díli, por grupo armado com facas e pedaços de pau."Acordei com o barulho de sinos e das facas na grade do portão", conta Aurélio Edgard Gonçalves de Brito, de 26 anos, que precisou fugir pelos fundos da residência. O ataque ocorreu na sexta-feira por volta das 23 horas, na hora local (7h em Brasília). "Minha moto foi roubada e acabei deixando todas minhas coisas em casa", disse Brito que agora está na residência do embaixador do Brasil, Antônio Souza e Silva. Cerca de 20 brasileiros já buscaram abrigo na Embaixada do Brasil e mais dez foram hospedados em um hotel. Calma A expectativa da população era de que este sábado fosse um dia mais tranqüilo, em Díli, com a chegada das tropas estrangeiras.Porém, mais casas e carros foram queimados, a população continua se refugiando em abrigos e fugindo para as montanhas. O missionário brasileiro mora no bairro de Pité, um dos mais perigosos da capital. Ele disse que ficou preocupado e ligou para amigos pedindo que fossem buscá-lo. "Um carro me retirou do bairro e eles me levaram hoje pela manhã para a casa do embaixador", conta Brito. A onda de violência ainda atinge vários pontos da cidade apesar da presença dos mais de mil militares estrangeiros, a maioria da Austrália. "Esperamos em breve que a situação esteja controlada", disse, neste sábado, o primeiro-ministro de Timor Leste, Mari Alkatiri, em uma coletiva de imprensa.Alkatiri afirmou que os atos de violência estão ligados a uma tentativa de golpe de estado, ainda de autoria desconhecida.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.