Alejandro Pagni/AFP
Alejandro Pagni/AFP

Casa Rosada chama de golpismo judicial possível indiciamento de Cristina

Promotor considera hipótese levantada por Nisman válida e pode indiciar a presidente com base na acusação do colega

Rodrigo Cavalheiro, correspondente / Buenos Aires, O Estado de S. Paulo

13 de fevereiro de 2015 | 10h42


BUENOS AIRES - A possibilidade de um promotor indiciar a presidente Cristina Kirchner, com base na acusação feita por seu colega Alberto Nisman quatro dias antes de morrer, levou a Casa Rosada a denunciar nesta sexta-feira, 13, "golpismo judicial". A informação de que o promotor Gerardo Pollicita considera a hipótese levantada por Nisman válida e levará adiante as acusações contra a líder argentina foi divulgada pelo jornal Clarín, cujo grupo é pressionado pelo governo kirchnerista a se desmembrar.

O promotor encontrado com um disparo na cabeça em seu banheiro no dia 18 acusou a presidente, o chanceler Héctor Timerman e dirigentes kirchneristas de proteger altos funcionários iranianos que, para a Justiça argentina, estiveram envolvidos no atentado contra a Associação Mutual Israelita-Argentina (Amia), onde morreram 85 e se feriram mais de 300. O encobrimento estaria relacionado a um pacto comercial entre o Irã e a Argentina, que envolveria troca de petróleo por grãos.

"(O indiciamento) Não tem valor jurídico nenhum, mas o efeito seria estrepitoso. Por isso questiono o promotor (Pollicita), porque é uma clara manobra de desestabilização antidemocrática", disse o porta-voz Aníbal Fernández, que completou: "Se minha mãe escuta isso, que não sabe nada de direito, o que entende é 'a presidente envolvida nisso'". Em um sinal de que a hipótese de indiciamento da presidente é forte, o porta-voz da presidência, Jorge Capitanich, também se manifestou. "É golpismo judicial ativo. O único objetivo é gerar impacto político", afirmou.

Nesta sexta-feira, será divulgada a composição do grupo que substituirá Nisman na investigação do atentado. Uma nova visita de peritos será feita no apartamento do promotor no bairro de Puerto Madero.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.