Casal chileno confessa ter matado sete de seus filhos

Um casal chileno confessou à polícia que matou sete de seus filhos "à medida em que nasciam", porque não podia mantê-los, informa a imprensa local. Os crimes ocorreram em um bairro miserável da cidade de Colina, 40 km a oeste de Santiago, entre 1995 e 2002, informou o capitão Miguel Angel Navarrete. Os infanticidas foram identificados como Ramón Pardo, de 45 anos, e Jacqueline López, de 25.O oficial declarou que existe discussão entre o casal "sobre a autoria dos delitos, porque tanto o homem como a mulher se culpam mutuamente". Pardo, que foi quem confessou os crimes, indicou que matava as crianças assim que nasciam, e que quatro delas foram lançadas na fossa séptica de sua moradia, outra em um chiqueiro e as duas restantes, em um poço da localidade balneária de San Sebastián, 150 km a oeste de Santiago.O juiz de Colina, Bernardo Leiva, ordenou escavações em busca dos corpos, até agora sem resultados.Versões da imprensa indicam que Pardo relatou os detalhes dos assassinatos "com surpreendente frieza" e explicou que cometeu os crimes porque "as precárias condições econômicas o impediam de manter mais filhos". O casal Pardo-López tem dois filhos, de 11 e 7 anos, que vivem com os pais. O homem contou que quem asfixiava os recém-nascidos era sua mulher, mas ela assegura que "Ramón se encarregava deles". Pardo se encontra em prisão preventiva, enquanto que López permanecerá em prisão domiciliar até que os corpos sejam encontrados - quando então poderá ser caracterizado o delito. Uma versão da imprensa dá conta, hoje, de que a polícia trabalha com a hipótese de Pardo ter sido anteriormente amante da mãe de Jacqueline, e por isso não descarta que os filhos tenham sido o resultado de reiteradas violações da jovem.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.