Casal em poder de piratas é libertado após 20 meses

Um casal raptado na costa africana foi libertado após passar 20 meses em poder de piratas somalis, informou o Ministério da Defesa da Somália nesta quinta-feira. A sul-africana Deborah Calitz e o italiano Bruno Pelizzari haviam sido sequestrados em um iate em outubro de 2010. Seus raptores exigiram, a princípio, um resgate de US$ 10 milhões.

AE, Agência Estado

21 de junho de 2012 | 09h39

"Estamos muito felizes de recuperar nossa liberdade", disse Calitz durante coletiva de imprensa no palácio presidencial somali, em Mogadiscio, capital do país.

O período em que o casal ficou em cativeiro foi um dos mais longos entre reféns capturados por piratas.

Por volta de 2005, os piratas somalis começaram a atacar grandes navios cargueiros, mas à medida que essas embarcações reforçaram sua segurança, os agressores passaram a ter como alvo iates particulares, que são mais vulneráveis.

A costa da Somália é hoje patrulhada por uma flotilha internacional, o que ajudou a diminuir o número de ataques piratas ao longo do último ano.

O ministro da Defesa somali, Hussein Arab Isse, atribuiu a libertação do casal a forças de segurança do país, mas não detalhou se os dois foram resgatados. Isse também não informou se houve pagamento de resgate pelo casal. A maioria dos casos de sequestro na região acaba mediante o pagamento de milhões de dólares em resgate. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
SOMÁLIAREFÉNSLIBERTAÇÃO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.