Casal McCann não usará doações em defesa

Pais de Madeleine estariam cogitando contratar peritos para fazer uma investigação paralela

O Estadao de S.Paulo

07 de setembro de 2013 | 00h00

Londres - Os pais da garota britânica Madeleine McCann - que desapareceu de uma praia em Portugal em maio - não usarão os mais de US$ 2 milhões coletados em doações para pagar suas despesas legais, informou o porta-voz da família, David Hughes. Na sexta-feira, Gerry e Kate, de 39 anos, foram considerados pela polícia portuguesa suspeitos pelo sumiço da filha. A hipótese para a desconfiança seriam os resultados de testes feitos com material coletado no porta-malas de um Renault Scénic, que o casal alugou 25 dias depois que Madeleine desaparecer. Ambos negam as acusações. Madeleine, de 4 anos, desapareceu em 3 de maio quando dormia com seus irmãos mais novos num resort na Praia da Luz, enquanto os pais jantavam com amigos. "Gerry e Kate acreditam que 90% dos doadores não se incomodariam se eles tirassem dinheiro do fundo (para pagar advogados para o casal). Mas eles não querem decepcionar os outros 10%", afirmou Hughes. O fundo tem quatro objetivos principais, entre eles o de "fornecer apoio, incluindo assistência financeira, à família de Madeleine". Os pais e os dois irmãos de Madeleine retornaram, no domingo, para a Grã-Bretanha.O casal McCann pode criar um novo fundo para cobrir as despesas legais, que cresceram após as acusações contra eles. Garry e Kate contrataram advogados tanto em Portugal como na Grã-Bretanha. Um deles seria, segundo a imprensa britânica, Michael Caplan, especialista em extradição que defendeu o ex-ditador chileno Augusto Pinochet em 1999.Ainda ontem, um amigo dos McCann disse que eles estão pensando em contratar uma equipe técnica própria para fazer a perícia no Renault. A imprensa diz que foram encontradas no veículo amostras de fluidos corporais de Madeleine, que poderiam ser sangue ou tecido em decomposição. As autoridades portuguesas não confirmaram as informações, mas segundo o jornal The Times, a polícia teria admitido que o material encontrado é 88% compatível com o DNA da garota. O jornal britânico divulgou também que a polícia irá confiscar o diário que Kate vem mantendo desde o sumiço da filha para usá-lo como parte das investigações.Os detetives também vão solicitar que Gerry entregue seu notebook, de onde atualiza um blog sobre as buscas de Madeleine, além de outros objetos e documentos do casal. AP E REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.