REUTERS/Mike Theiler
REUTERS/Mike Theiler

Casal Obama negocia produção de programas com Netflix

Ex-presidente e sua mulher poderiam produzir histórias 'inspiradoras' ou debates sobre questões como saúde e nutrição

O Estado de S.Paulo

09 Março 2018 | 21h34

O ex-presidente dos EUA Barack Obama e sua mulher, Michelle, estão em “negociação avançada” com o serviço de streaming Netflix para a produção de programas.

O acordo, que ainda não foi finalizado, prevê contratar o casal Obama para realizar uma série de programas, cujo número e formato ainda não foram decididos, segundo o New York Times, citando fontes próximas ao assunto.

Entre os planos, o carismático ex-presidente poderia liderar debates sobre questões que marcaram sua presidência, como saúde, imigração, política externa ou mudanças climáticas, acrescentou o jornal.

Michelle, por sua vez, poderia aparecer em um programa dedicado à nutrição, um assunto que ela tratou com grande paixão durante seu período como primeira-dama. O New York Times apontou que o casal também poderia produzir documentários ou programas de ficção.

A Netflix afirma ter cerca de 117 milhões de usuários – a grande maioria dos quais paga pelo serviço – e diz que pretende investir até US$ 8 bilhões em conteúdo este ano. Segundo pessoas familiarizadas com a questão, o ex-presidente não deve usar os programas para responder a seu sucessor, Donald Trump, ou aos críticos conservadores.

+ Museu revela retratos de Obama e Michelle em Washington

Entre as possibilidades discutidas durante as conversações, o casal cogitou produzir programas com histórias que possam servir de exemplo. Os Obamas “sempre acreditaram nem histórias para inspirar”, disse Eric Schultz, assessor do ex-presidente, citado pelo New York Times. Segundo Schultz, ambos promoveram “histórias de pessoas cujos esforços para fazer uma diferença estão mudando o mundo silenciosamente para melhor”.

O jornal destaca ainda que, se o acordo for fechado, a Netflix oferecerá ao ex-presidente um canal de comunicação “sem filtro” que lhe permitirá atingir um público similar ao que alcança em suas redes sociais – no Twitter, ele tem 101 milhões de seguidores e, no Facebook, 55 milhões.

De acordo com o New York Times, ainda não se sabe quanto os Obamas receberão para fechar o negócio, mas a Netflix recentemente acertou um contrato por cinco anos com o produtor Ryan Murphy por US$ 300 milhões. Ainda segundo pessoas familiarizadas com as negociações, os executivos de Apple e Amazon também manifestaram interesse em conversar com o ex-casal presidencial. / EFE e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.