REUTERS/Ted Pritchard
REUTERS/Ted Pritchard

Casal que fugiu da guerra na Síria perde sete filhos em incêndio no Canadá 

Família de refugiados vivia em Halifax, no litoral atlântico, onde ocorreu o incidente 

Redação, O Estado de S.Paulo

19 de fevereiro de 2019 | 17h53

TORONTO - Sete crianças de uma família de refugiados sírios morreram nesta terça-feira, 19, em um incêndio na casa que ocupavam na cidade canadense de Halifax, no litoral atlântico do país. Além dos sete menores, dois adultos - um homem e uma mulher - foram internados após ficarem feridos no incêndio que começou durante a madrugada.

Em entrevista coletiva hoje, o chefe adjunto dos bombeiros de Halifax, David Meldrum, declarou que os serviços de emergência receberam "várias" chamadas informando um incêndio em um dos bairros da cidade. Quando os bombeiros conseguiram apagar o fogo, descobriram os corpos das sete crianças, acrescentou Meldrum.

O chefe adjunto dos bombeiros também declarou que foram iniciadas as investigações para determinar as causas do incêndio e qualquer "especulação" neste momento sobre o que teria gerado o fogo seria inadequada.

Explosão

Vizinhos entrevistados por veículos de imprensa locais disseram que ouviram uma explosão momentos antes do início do incêndio e alguns especularam que pode ter sido um botijão de gás.

O primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, expressou através do Twitter suas condolências pela tragédia.

"Faltam palavras quando crianças são tiradas de nós tão cedo, especialmente em circunstâncias como essas. Meu coração está com os sobreviventes do horrível incêndio em Halifax nesta manhã, e os entes queridos que estão lamentando essa tremenda perda", disse Trudeau.


O centro comunitário e mesquita Ummah de Halifax informou no Facebook que os sete menores mortos eram filhos do casal que ficou ferido no incêndio.

Segundo uma mensagem publicada pela mesquita, o mais jovem entre os mortos tinha quatro meses, enquanto o mais velho, 14 anos.

O imã da mesquita, Abdalá Yusri, disse à emissora de televisão CTV que a família chegou ao Canadá há dois anos fugindo da guerra na Síria e era originária da cidade de Raqqa, antiga "capital do califado" que o grupo terrorista Estado Islâmico (EI) proclamou em junho de 2014. / EFE

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.