Casamento de argentina com príncipe holandês causa polêmica

Enquanto os argentinos batiam em panelas para reclamar o dinheiro preso nos bancos no início desta semana, duas casas de Buenos Aires empacotavam presentes que chegam a custar US$ 4.000 para o casamento de Máxima Zorreguieta, de 30 anos. Não se trata de uma boda comum. A argentina Máxima se casará no próximo dia 2 com Guilherme Alexandre, o príncipe herdeiro do trono holandês, na catedral protestante de Nieuwe Kerk, em Amsterdã. Os noivos escolheram pessoalmente duas casas da capital argentina para deixar as listas de presente, para facilitar a escolha dos 66 familiares e amigos convidados para o casamento. Uma delas foi a loja de artigos para a casa e de mimos, L´Interdit. A outra foi a tradicional ourivesaria Pallarols, no bairro de San Telmo, especializada em trabalhos com prata. A carga de presentes foi embarcada quinta-feira para Amsterdã. Segundo o jornal La Nación, entre os "regalitos" estava um aparelho de jantar com 67 peças da casa alemã Villeroy & Boch, que custa cerca de US$ 4.000. O casamento de Máxima, entretanto, provoca discussões acaloradas em Buenos Aires e em Amsterdã. O Parlamento holandês pretende vetar a presença de um dos amigos da família da noiva, o padre Brown, por conta de uma suposta colaboração com o regime militar argentino. Mais grave é a provável ausência do pai da noiva, Jorge Zorreguieta, que teria participado do governo do general Jorge Videla.

Agencia Estado,

24 Janeiro 2002 | 19h37

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.