Casamento, só entre homem e mulher, diz Bush

O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, disse nesta quinta-feira que a "sagrada instituição" do casamento entre homem e mulher deve ser defendida contra o que chamou de decisões judiciais de tribunais "ativistas". Bush falou do tema espontaneamente, quando arrecadava fundos para a campanha de um candidato republicano ao Congresso, um dia depois de a Suprema Corte de Nova Jersey decidir que casais de pessoas do mesmo sexo devem ter os mesmos direitos que as pessoas casadas.O tribunal deixou para o Poder Legislativo estadual a decisão sobre como estender esses direitos: sob a estrutura do casamento, da união civil ou de outro modo.O presidente americano disse que a decisão judicial "levanta dúvidas sobre a instituição do casamento". "Eu acredito que o casamento é uma união entre um homem e uma mulher", afirmou. "É uma instituição sagrada, crucial para a saúde da nossa sociedade e o bem-estar das famílias; deve ser defendida."Bush não disse como o casamento deve ser protegido. Mas defendeu a proibição federal do casamento gay. Este ano, uma proposta de emenda constitucional para proibir o casamento entre pessoas do mesmo sexo não alcançou os dois terços necessários para aprovação, tanto no Senado como na Câmara.O casamento entre homossexuais só é permitido no estado de Massachusetts. Outros Estados americanos, incluindo Vermont e Califórnia, têm leis que permitem uniões civis ou parcerias domésticas que garantem virtualmente todos os benefícios do casamento gay, exceto o nome. Nova Jersey e alguns outros Estados têm leis de "parceria doméstica" e oferecem menos benefícios matrimoniais.Vinte Estados americanos aprovaram emendas constitucionais com o objetivo de proibir o casamento gay, quase sempre por larga margem. No dia 7 de novembro, mais oito (Arizona, Colorado, Idaho, Carolina do Sul, Dakota do Norte, Tennessee, Virgínia e Wisconsin) votarão emendas que, se aprovadas, proíbem o casamento entre pessoas do mesmo sexo e, na maioria dos casos, também as uniões civis.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.