Casar com Sarkozy foi 'rock-and-roll', diz Carla Bruni à BBC

Em rara entrevista, primeira-dama francesa diz que casou com presidente pelo seu 'conhecimento de flores'.

BBC Brasil, BBC

26 Setembro 2011 | 09h21

A primeira-dama da França, Carla Bruni-Sarkozy, afirmou em uma entrevista exclusiva para BBC que o casamento com Nicolas Sarkozy é "rock'n'roll".

"Ser capaz de mudar sua vida de um dia para outro, isto é realmente muito rock'n'roll. A maioria das pessoas não aceitaria este tipo de mudança", afirmou a ex-modelo e cantora, que aguarda o primeiro filho do casal.

"E também, do lado dele, é muito rock'n'roll, afinal eu sou uma compositora!", disse Bruni, em uma rara entrevista, concedida à uma das jornalistas mais conhecidas da França e amiga pessoal de Bruni, Christine Ockrent, que será transmitida pelo programa de rádio Newshour no dia 27 de setembro.

No entanto, a primeira-dama francesa acrescenta que o estilo de vida do casal é o oposto do que se pensa ser "rock'n'roll".

"Eu sou muito tranquila, temos uma vida muito tranquila. Gosto de paz e solidão e silêncio. E a agenda diária dele é tão agitada que guardamos as noites para nós o máximo que podemos."

Gravidez e jardinagem

A primeira-dama da França tem mantido uma postura discreta sobre a gravidez afirmando que, pelo fato de ser "supersticiosa", prefere "tomar cuidado".

"Mas não há muito a dizer. Tantas mulheres estão esperando filhos e dar à luz é tão desinteressante para o povo francês. É uma grande notícia para mim, mas também é algo muito banal."

Esta será a primeira vez que a residência do presidente francês, o Palácio do Eliseu, receberá um bebê, e Bruni reconhece que esta é uma grande mudança para a França.

"Acho que é o mundo moderno chegando à República da França, o que não é ruim", disse.

Parte da razão para esta mudança, segundo a primeira-dama, é que Sarkozy é "um tipo diferente de presidente", pois presidentes franceses geralmente não se divorciam e casam novamente.

Bruni também contou que Sarkozy tem interesse por várias coisas, incluindo história, geografia, mas foi seu conhecimento por jardinagem que a conquistou.

"Quando o encontrei, andando pelo jardim do Palácio do Eliseu, ele me falou sobre os nomes das flores. Ele sabe todos os nomes em latim, todos os detalhes sobre tulipas e rosas."

"Então eu pensei: 'Meu Deus, tenho que me casar com este homem, ele é o presidente e sabe tudo sobre flores também. Isto é incrível'", disse.

Imprensa e futuro

Bruni também comentou um dos assuntos mais falados ultimamente na França, a entrevista na semana passada para a TV francesa do ex-diretor do FMI, Dominique Strauss-Khan, a primeira entrevista de Khan depois que as acusações de estupro e assédio sexual contra ele foram retiradas.

A primeira-dama francesa afirmou que ela e Sarkozy não assistiram à entrevista e, quando perguntada sobre o apoio da mulher de Strauss-Khan ao marido, a ex-jornalista Anne Sinclair, Bruni respondeu que "não saberia o que fazer se fosse ela".

"Mas, eu tomo muito cuidado com opiniões, pois nunca sei o que é verdade. Depois de ler o que a imprensa fala sobre mim, eu realmente não poso acreditar no que fala sobre outras pessoas."

Bruni também falou sobre seus planos para quando não for mais primeira-dama, afirmando que pretende voltar a fazer turnês.

"Tocar violão e fazer turnês é o que sinto mais falta. Minha vida de sonhos seria apenas voltar ao meu trabalho. E estar com a minha família. Sonhos comuns, que todo mundo tem", afirmou.

Quanto a Nicolas Sarkozy, a primeira-fama afirma que, depois de deixar a Presidência, ele provavelmente poderá ter qualquer outro tipo de trabalho.

"Ele vai trabalhar até morrer. Ele é este tipo de homem. Não é o tipo deprimido, não é o tipo preguiçoso", afirmou. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.