How Hwee Young/Efe
How Hwee Young/Efe

Caso de aborto forçado na China gera três suspensões

Mulher foi obrigada a abortar no sétimo mês de gravidez e fato gerou indignação da população

AE, Agência Estado

15 de junho de 2012 | 13h21

PEQUIM - A China suspendeu três funcionários e desculpou-se com uma mulher que foi obrigada a abortar no sétimo mês de gravidez. O casou gerou indignação, depois que fotos da mãe e do bebê morto circularem na internet.

Veja também:

 linkChina é vista como a principal economia mundial, diz enquete

 linkImagem de feto resultado de aborto forçado gera polêmica na China

A decisão tem como objetivo conter a repulsa do público em relação ao caso, que deu origem a novas críticas contra a questionada política do filho único. Com o objetivo de controlar o contínuo crescimento da população da China, a política tem resultado em constantes abortos e esterilizações forçados, impostos por autoridades que tentam não ultrapassar a cota de nascimentos definida por Pequim.

Feng Jianmei, de 23 anos, foi espancada por funcionários do governo e forçada a abortar o bebê de sete meses no dia 2 de junho, já que sua família não podia pagar a multa de 40 mil yuans (R$ 12,8 mil) por ter uma segunda criança, reportou a imprensa chinesa.

Fotos de Jianmei na cama do hospital com o bebê ensaguentado, foram postadas online e tornaram-se virais, gerando reações públicas de simpatia e indignação.

O governo da cidade de Ankang, na província de Shaanxi, noroeste da China, afirmou que o vice-prefeito visitou Jianmei e seu marido no hospital, para desculpar-se e dizer que os funcionários serão suspensos e investigados. A agência de notícias oficial diz que três funcionários deixarão seus cargos: dois chefes de planejamento familiar e o chefe do governo municipal.

Mas especialistas afirmam que é improvável que os suspeitos sejam realmente punidos: "é só um truque para lidar com o público", disse Liang Zhongtang, especialista em demografia da Academia de Ciências Sociais de Xangai. "Eu acho que este caso vai terminar sendo ignorado e esquecido como em casos similares no passado. As coisas sempre foram assim. Ninguém vai ser demitido", disse ele.

A China legalizou o aborto em 1950, mas a prática não se tornou comum até o governo começar a aplicar o limite de um filho. Críticos do controle da natalidade afirmam que a política gera desequilíbrio na proporção entre os sexos, já que as famílias tendem a abortar meninas, devido a tradicional preferência por meninos.

O governo afirma que o controle da natalidade evitou 400 milhões de nascimentos no país mais populoso do mundo, que tem 1,3 bilhões de habitantes.

As informações são da Associated Press

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.