Caso de grampos ilegais pode ir além de jornais de Murdoch

Relatório de 2006 mostra que 'Daily Mail' e 'Daily Mirror' podem ter comprado informações de investigador

Estadão.com.br

21 de julho de 2011 | 12h05

LONDRES - Uma investigação da polícia britânica sobre atividades ilegais realizadas por jornalistas parecer ter expandido para além do News of the World de Murdoch, segundo informações da CNN.

 

 

Veja também:

link Escândalo é chance para 'limpar' relação governo-imprensa, diz Clegg

link ''Wall Street Journal'' critica o chefe para manter credibilidade    

link Opinião: Desculpem pela falta de decência e pelos corruptos  

 

 

A Polícia Metropolitana de Londres pediu ao Gabinete do Comissário de Informação do Reino Unido arquivos de um inquérito de 2006 sobre o trabalho de um investigador particular que vendeu informações obtidas ilegalmente para diversos jornais, incluindo o Daily Mail, Daily Mirror e News of the World. A polícia se negou a confirmar a informação.

 

Segundo informações da CNN, a polícia já estava estudando 11 mil páginas de documentos apreendidos do investigador antes de requisitar os arquivos adicionais do Comissário de Informação. O pedido de arquivos da investigação Comissário veio há três meses, disse o gabinete nesta quinta-feira.

 

Seu relatório de 2006, "Qual Preço da Privacidade Agora?", aponta 31 jornais e revistas que eram clientes de um investigador particular que ilegalmente obtinha informações privadas sobre as pessoas, geralmente ligando e fingindo ser alguém que ele não era.

 

Os jornais Daily Mail e Sunday Mail, e Daily Mirror e o associado Daily People, estavam entre os quatro principais mostrados no documento. News of the World vem em quinto.

 

O atual apresentador da CNN, Piers Morgan, era editor do Daily Mirror durante parte do período investigado pelo relatório. Ele nega seu envolvimento com qualquer caso de grampos ilegais enquanto estava no Mirror, ou antes disso, quando trabalhava no News of the World.

 

Leia mais:

lista ENTENDA: O escândalo dos grampos na Inglaterra

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.