Caso Diana: motorista e paparazzi são culpadosCaso Diana: motorista e paparazzi são culpados

Inquérito judicial conclui que acidente de 1997 foi causado por negligência

AP e Reuters, O Estadao de S.Paulo

08 de abril de 2008 | 00h00

A morte da princesa Diana e de seu namorado Dodi Al-Fayed, num acidente de carro em Paris, em 1997, foi resultado da negligência do motorista Henry Paul, que também morreu, e dos paparazzi que perseguiam o veículo no momento do choque, segundo um inquérito judicial sobre o caso. O único sobrevivente do acidente foi o guarda-costas Trevor Rees.O veredicto dado pelo júri - que seria parecido com o de homicídio culposo no Brasil -, por nove votos a favor e dois contra, foi o mais duro possível e coloca um fim às teorias de conspiração sobre a morte da princesa. O pai de Dodi, Mohammed Al-Fayed, acusa a família real britânica e o serviço de inteligência da Grã-Bretanha MI-6 de terem assassinado o casal. O bilionário egípcio é dono da loja de departamento Harrods."O acidente foi causado, ou facilitado, pela velocidade e pela condução do motorista do carro (Paul), e pela velocidade e condução dos veículos que perseguiam o carro", afirmou um dos jurados, ao ler o veredicto. Para o júri, os fatores que contribuíram para a morte do casal foram o fato de que Paul consumiu álcool antes de entrar no veículo, o de que a Diana não estava usando cinto de segurança e, além disso, o carro ter batido contra um pilar, e não uma parede, no Túnel Pont de l?Alma.Ao longo de seis meses, os 11 jurados ouviram cerca de 240 testemunhas de vários países, como França, EUA, Brasil e Nigéria. Do Brasil, a testemunha foi a embaixatriz Lúcia Flecha de Lima, considerada amiga íntima de Diana. O inquérito, que custou cerca de 10 milhões de libras (R$ 34 milhões), demorou 10 anos para ser realizado, pois teve de esperar as conclusões de uma investigação policial na França, em 1999, e outra na Grã-Bretanha, em 2006. Ambas culparam Paul pelo acidente. "Espero que o veredicto traga um desfecho para o caso", afirmou o ex-chefe da polícia britânica John Stevens, responsável pela relatório de 2006.Mohammed, no entanto, mostrou-se longe de estar satisfeito com a decisão do júri. "Não sou a única pessoa que disse que os dois foram assassinados. Diana já havia previsto que ela seria morta e como isso aconteceria", disse. "O veredicto é um golpe para os milhões de pessoas que apoiavam a minha causa", completou Mohammed.Para o pai de Dodi, o príncipe Philip, marido da rainha Elizabeth, teria ordenado que o serviço de inteligência britânica assassinasse o casal pois queria evitar que Diana se casasse com um muçulmano. Ele afirma ainda que a princesa estava grávida de Dodi. A autópsia realizada pelas autoridades francesas não encontrou nenhum indício de que Lady Di estivesse grávida. Mohammed insistiu que a rainha e o príncipe deveriam ter sido chamados como testemunhas no caso. "Ninguém deveria estar acima da lei. Sempre acreditei que o príncipe Philip e a rainha tinham informações valiosas sobre o caso", acusou o egípcio. Não está claro se o pai de Dodi apelará da decisão de ontem. Apesar de o veredicto dado pelo júri abrir caminho legal para um processo criminal contra os paparazzi que perseguiam o carro de Diana, há pouca probabilidade de que eles sejam julgados. Os sete, que são franceses, já foram inocentados pela Justiça da França. Além disso, os tribunais britânicos não têm jurisdição sobre eventos que ocorreram em outro país. VAIVÉM DA INVESTIGAÇÃO6/8/1997 - Jornais publicam fotos da princesa Diana e Dodi Al-Fayed num iate no Mar Mediterrâneo14/8/97 - Em entrevista, Diana nega rumores de que estaria prestes a se casar com Dodi30/8/97 - O casal chega a Paris, onde se hospeda no hotel Ritz. Dodi irrita-se com a presença de paparazzi31/8/97 - Diana e Dodi deixam o hotel de madrugada e começam a ser perseguidos pelos fotógrafos. O motorista, Henri Paul, que também era chefe de segurança do hotel, perde o controle do carro, um Mercedes, e bate contra um pilar no Túnel Pont de l''Alma. Diana chega a ser levada a um hospital, mas não resiste aos ferimentos e morre. Além da princesa, Dodi e Paul também morrem. O guarda-costas Trevor Rees sobrevive. A polícia francesa prende paparazzi que estavam no local1/9/97 - Exames revelam que o nível de álcool no sangue de Paul, no momento do acidente, era três vezes acima do permitido pela lei francesa2/9/97 - Promotores franceses abrem inquérito para investigar o caso5/9/97 - François Levistre, que testemunhou o acidente, afirma ter visto "uma forte luz" logo antes do choque, dando início a uma série de teorias de assassinato10/9/97 - Teste do sangue de Paul revela que motorista tinha bebido e havia tomado Prozac, para tratar de uma depressão, e Tiapridal, que combate o alcoolismo12/2/98 - Fayed afirma que o choque do carro não foi acidental. Segundo ele, Diana e Dodi iriam celebrar o noivado na noite do acidente, algo que não seria aceito pelo "establishment", referindo-se à família real3/9/99 - Justiça francesa divulga relatório sobre investigação policial. Paul é apontado como culpado. Paparazzi são inocentados. Fayed afirma que apelará14/4/2002 - Suprema Corte da França rejeita apelação do pai de Dodi e confirma conclusão de relatório da Justiça6/1/04 - Polícia britânica é encarregada de realizar nova investigação da morte de Diana. Daily Mirror publica carta da princesa ao mordomo Paul Burrell, dizendo que o ex-marido, príncipe Charles, pretendia matá-la14/12/06 - Relatório da polícia descarta possibilidade de que Diana foi assassinada2/3/07 - Justiça determina que inquérito será julgado por júri2/10/07 - Inquérito é aberto e painel com 11 jurados é formado 8/10/07 - Jurados visitam local do acidente em Paris, causando engarrafamento na região18/2/08 - Fayed presta testemunho no inquérito e volta a afirmar que casal foi assassinado31/3/08 - Juiz do inquérito rejeita possibilidade de assassinato no caso e diz que o júri poderá apenas chegar a um veredicto de homicídio culposo por parte de Paul, homicídio culposo por parte dos paparazzi ou morte acidental.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.