Caso expõe socialistas a um complicado dilema

A prisão de Dominique Strauss-Kahn, que se preparava para esmagar Nicolas Sarkozy nas eleições presidenciais de 2012, abalou de alto a baixo todo o aparelho do Partido Socialista francês. A confusão da esquerda é comovente. Testemunhas disso são as contradições da defesa de Strauss-Kahn por seu partido.

Gilles Lapouge, O Estado de S.Paulo

19 de maio de 2011 | 00h00

Num primeiro momento, todos os seus amigos socialistas se engajaram pessoalmente em limpá-lo das acusações. Eles diziam: "Tudo bem, ele é um pouco assanhado, mas não é um crime amar as mulheres."

Depois de 24 horas, contudo, o sistema de defesa dos socialistas mudou. Ao proteger Strauss-Kahn com esses argumentos, eles deixariam transparecer que a camareira agredida teria mentido. O Partido Socialista se veria preso, então, "em flagrante delito" de machismo, o que, em país socialista, é um pecado capital.

Os socialistas dizem-se próximos das mulheres. Por conseguinte, não podiam deixar transparecer que defendiam o presumido "violentador". De mais a mais, para complicar a tarefa dos socialistas, a vítima era a um só tempo "mulher", "negra" e "pobre", o que tornava ainda mais odiosa sua conduta.

Assim, para ter ao menos alguma coisa a dizer, os socialistas viram seus canhões na direção de um terceiro alvo: os Estados Unidos. Eles detalham as fraquezas do sistema policial e judiciário americano. Denunciam a brutalidade do tratamento reservado a Strauss-Kahn. Com a barba por fazer, desvairado e mudo, ele é encarcerado numa prisão sinistra diante de todas as testemunhas. /TRADUÇÃO DE CELSO PACIORNIK

É CORRESPONDENTE EM PARIS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.