Caso Foley prejudicou a imagem do Congresso e dos republicanos, diz pesquisa

Os americanos acham que os líderes republicanos no Legislativo privilegiam seus interesses políticos em detrimento da proteção dos mensageiros adolescentes do Congresso, e que os líderes da Casa sabiam das mensagens com conteúdo sexual enviadas pelo ex-deputado republicano Mark Foley muito antes de ele ser forçado a renunciar, de acordo com a última pesquisa realizada pelo jornal New York Times/CBS. A pesquisa, realizada antes do anúncio dos testes nucleares da Coréia do Norte, também constatou que a guerra no Iraque continua a pesar sobre o presidente Bush e sobre o partido Republicano, e que a Casa Branca está tendo dificuldade em lidar com o terrorismo.O número de americanos que aprova a administração de Bush em relação à campanha contra o terrorismo caiu de 54% para 46% nas últimas duas semanas, sugerindo que ele falhou na tentativa de ganhar popularidade ao realizar uma série de cerimônias marcando o quinto aniversário dos ataques de 11 de Setembro. Além disso, a pesquisa mostra que os americanos estão igualmente divididos sobre qual partido eles acham que tem mais condições de lidar com o terrorismo. É a primeira vez com Bush na presidência que os democratas empatam com os republicanos em segurança nacional, apesar de um esforço da Casa Branca para diminuir a vantagem na área neste mês. Publicada quatro semanas antes da eleição, a pesquisa indica que o escândalo envolvendo Mark Foley, ex-deputado republicano pelo estado da Flórida, estaria alienando os americanos em relação ao Congresso, e enfraquecendo o partido Republicano, que já luta para conseguir manter o controle da Casa e do Senado. Os americanos acreditam ainda que a maioria dos membros do Congresso se consideram acima da lei."A política sobe à cabeça das pessoas e elas se vêem como sua própria pequena entidade", disse Donna Mummert, de 68 anos, republicana do estado de Idaho, em entrevista realizada após a pesquisa. "Eles esquecem porque estão lá para nos representar." Setenta e nove por cento dos participantes afirmaram que os líderes republicanos da Casa estavam mais preocupados em manter sua posição no Congresso do que com a segurança dos mensageiros adolescentes. Aproximadamente metade dos participantes disseram que a liderança republicana tratou o caso Foley de maneira inapropriada, em comparação a 27%, que disseram aprovar a forma com que a questão foi conduzida.A pesquisa telefônica foi realizada em nível nacional na quinta-feira, e contou com a participação de 983 adultos, sendo que 891 são eleitores registrados. A margem de erro é de três pontos percentuais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.