Caso JonBenet Ramsey continua uma incógnita para polícia

Mais de uma década após o assassinato da modelo infantil JonBenet Ramsey, o caso ainda parece inacabado e apoiado apenas em suposições - mesmo após o professor John Mark Karr, de 41 anos, ter confessado que estava com a menor no momento de sua morte, assegurando que foi um acidente e que estava apaixonado por ela.JonBenet Ramsey, de 6 anos, foi encontrada morta a pancadas e estrangulada no porão de sua casa, em Boulder, no dia 26 de dezembro de 1996, num crime que comoveu a sociedade americana. A menina era uma das modelos infantis mais famosas nos Estados Unidos. John Mark Karr foi preso na quarta-feira, um dia depois de começar a ensinar em uma escola em Bangcoc, Tailândia, por solicitação dos Estados Unidos.Após o crime, em 1996, os pais de JonBenet, John e Patsy Ramsey, viveram sob as suspeitas levantadas por tablóides sensacionalistas, que sugeriam que os dois maltratavam e exploravam a menina com suas aparições em desfiles infantis. Além disso, John e Patsy eram acusados de terem ocultado informações cruciais para a investigação do caso.Os funcionários dos Estados Unidos em Bangcoc esperam poder repatriar Karr este fim de semana. Ainda existem muitas perguntas sem respostas. Mary Lacy, que encabeçou a investigação pelo condado de Boulder afirmou que "há muito mais trabalho" a ser feito no caso contra o suspeito. John Mark Karr confessou em Bangcoc que drogou e estuprou JonBenet e acabou matando-a acidentalmente. Ainda não sabe-se se ele realmente drogou a menina de 6 anos, se a molestou sexualmente ou mesmo se estava em Colorado no momento em que ela foi morta. "Está claro para mim que ele está obsecado pelo caso e agora temos que descobrir se ele realmente esteve envolvido", disse Carlton Smith, autor do livro "Death of a Little Princess: The Tragic Story of the Murder of JonBenet Ramsey" (A Morte de uma Pequena Princesa: A Trágica História do Asssassinato de JonBenet Ramsey, em inglês).A autópsia de JonBenet não encontrou evidências que mostrem que ela ingeriu drogas e concluiu que sua morte foi causada por estrangulamento depois de ter sido espancada (ela teve o crânio fraturado). Foram encontradas feridas vaginais, mas não é certo que a menina tenha sido estuprada. Não havia sêmen em seu corpo."Vamos deixar o sistema judicial decidir o caso", declarou Mary Lacy, recusando-se a fornecer mais detalhes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.