'Caso Milly' foi o estopim

A reviravolta na vida de Rupert Murdoch e em seu conglomerado de mídia começou quando veio a público o caso de grampos encomendados pelo hoje extinto tabloide britânico News of the World, parte do grupo então dirigido por James Murdoch, filho do magnata. As denúncias sobre escutas ilegais transformaram-se em escândalo quando surgiram afirmações de que um investigador contratado pelo jornal grampeou o celular de Milly Dowler, de 13 anos, morta em 2002, enquanto a polícia investigava o sumiço dela. Jornalistas chegaram a apagar a caixa postal do celular da jovem para receber novos recados, confundindo as investigações. A família e a polícia pensavam que Milly havia apagado as mensagens.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.