Fehim Demir/EFE
Fehim Demir/EFE

Casos globais de coronavírus ultrapassam 11 milhões, diz agência 

Contagem da agência 'Reuters' assinala mais um marco da proliferação da doença que já matou mais de meio milhão de pessoas em sete meses

Redação, O Estado de S.Paulo

03 de julho de 2020 | 17h38

WASHINGTON - Os casos globais de coronavírus ultrapassaram 11 milhões nesta sexta-feira, 3, de acordo com uma contagem da agência Reuters, o que assinala mais um marco da proliferação da doença que já matou mais de meio milhão de pessoas em sete meses.

O número de casos é mais do que o dobro da cifra de ocorrências graves de gripe registrados anualmente, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Muitos países atingidos duramente estão relaxando isolamentos implantados para frear a disseminação do coronavírus ao mesmo tempo em que fazem alterações amplas no trabalho e na vida social que podem durar um ano ou mais até uma vacina estar disponível.

Alguns países estão testemunhando um ressurgimento de infecções, o que tem levado as autoridades a reinstaurarem parcialmente os isolamentos – o que especialistas dizem que pode ser um padrão recorrente que se estenderá a 2021.

Os Estados Unidos relataram mais de 55,4 mil casos novos de covid-19 na quinta-feira, um novo recorde diário mundial decorrente do aumento de infecções na maioria dos Estados. Vários governadores suspenderam planos de reabertura diante da elevação dos casos.

Quase um quarto das mortes conhecidas em todo o mundo ocorreram nos EUA – quase 129 mil.

A América Latina, onde o Brasil tem 1,5 milhão de casos, responde por 23% do total global de pessoas infectadas. A Índia se tornou o novo epicentro da Ásia ao chegar a 625 mil casos.

Ásia e Oriente Médio têm cerca de 12% e 9% respectivamente, segundo a contagem da Reuters, que usa registros governamentais.

Em algumas nações com capacidade limitada de exames, os números de casos refletem uma proporção pequena do total de infecções. Conforme relatos, cerca de metade das pessoas que se sabe terem sido infectadas se recuperaram.

Em todo o planeta já houve mais de 520 mil mortes ligadas à doença, aproximadamente o mesmo número de mortes por gripe registradas anualmente.

Os primeiros casos do novo coronavírus foram confirmados no dia 10 de janeiro em Wuhan, na China. Mais tarde, as infecções e fatalidades aumentaram na Europa, em seguida nos EUA e depois na Rússia.

Agora a pandemia entrou em uma nova fase, e Índia e Brasil estão enfrentando surtos de mais de 10 mil casos por dia, o que coloca uma grande pressão em seus recursos. / REUTERS 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.