Castro sugere libertar presos políticos como aceno a Obama

Em sua primeira visita como chefe de Estado, presidente cubano se reuniu com Lula.

Fabrícia Peixoto, BBC

18 de dezembro de 2008 | 19h30

Em sua primeira visita ao Brasil como chefe de Estado, o presidente de Cuba, Raúl Castro, disse que seu governo estaria disposto a libertar presos políticos como uma das formas de dialogar com o próximo presidente dos Estados Unidos, Barack Obama.Segundo Castro, o diálogo entre Cuba e Estados Unidos depende de "gestos" dos dois lados. "Estes prisioneiros que falam, eles querem que nós os deixemos ir? Vamos enviá-los com suas famílias e todas as coisas", disse o presidente cubano durante visita a Brasília. "Devolvam-nos nossos cinco heróis. Isso é um gesto de ambos os lados."A expressão "cinco heróis" foi uma referência ao grupo de funcionários cubanos acusados de espionagem pelo governo americano e presos há quase dez anos.Os cinco homens haviam sido enviados aos Estados Unidos com a missão de se infiltrar entre exilados cubanos e, assim, descobrir algum tipo de ação contra o governo do então presidente Fidel Castro."Vamos fazer gesto por gesto", disse Raúl Castro a jornalistas, durante almoço no Palácio do Itamaraty.EmbargoEsta é a primeira viagem internacional de Raúl Castro como presidente de Cuba. A primeira parada foi em Caracas (Venezuela), no fim de semana. Na terça-feira, o presidente cubano chegou à Costa do Sauípe, na Bahia, para participar da 1ª Cúpula das Américas e do Caribe.Durante seu discurso, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva voltou a defender o fim do embargo econômico dos Estados Unidos à ilha comunista. Segundo Lula, o embargo "não tem sustentação econômica, política, ética e moral".Lula também defendeu a volta de Cuba à Organização dos Estados Americanos (OEA). Disse que o Brasil "vai se empenhar" para que o ato de exclusão seja revogado."Saudamos a adesão de Cuba aos Pactos Internacionais de Direitos Civis e Políticos e de Direitos Econômicos, Sociais e Culturais", afirmou o presidente. "Isso demonstra que o caminho é o da negociação, e não apenas do enfrentamento."Comércio bilateralO comércio bilateral entre Cuba e Brasil somou US$ 412 milhões no ano passado. Uma das estratégias do governo brasileiro é participar do desenvolvimento da ilha por meio de alguns setores, principalmente em agricultura e energia. Desde que tomou posse como presidente, Lula já esteve três vezes em Cuba. Na última visita, em outubro, anunciou a volta da Petrobras à ilha.A companhia brasileira está prospectando petróleo nos mares cubanos, em parceria com a estatal local, a Cupet.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.