Catalunha aprova autonomia em referendo

A reforma do estatuto de autonomia da Catalunha foi aprovada neste domingo em um plebiscito com cerca de 74% dos votos, o que ampliará o nível de autogoverno desta região do nordeste da Espanha. No entanto, a alta abstenção de 50,58% decepcionou a maioria dos partidos políticos.Com a apuração oficial de 99,72% dos votos, o estatuto - uma aposta importante do presidente do Governo espanhol, José Luis Rodríguez Zapatero, e do Governo regional catalão - foi aprovado por 73,90% dos eleitores. Os votos contrários foram 20,76%, e os votos em branco somaram 5,34%. Dos 5,3 milhões de eleitores convocados, apenas 49,42% foram às urnas.A Catalunha terá mais poder também para decidir sobre questões relativas à imigração, justiça e segurança e, apesar de não definir explicitamente a região como ?nação?, o estatuto reconhece o ?sentimento de nação? dos catalães. A autonomia da região não se igualará, no entanto, à do País Basco.O conservador PP, principal partido de oposição na Espanha, se opôs frontalmente ao novo estatuto, por considerar - entre outros argumentos - que rompe a unidade do país.Os partidos impulsores da reforma, o Partido Socialista (no Governo) e o nacionalista Convergência e União (CiU), consideraram "contundente" e "arrasadora" a vitória no plebiscito, enquanto o Partido Popular (PP) pediu uma "séria reflexão" sobre o desfecho do processo.Rodríguez Zapatero destacou o apoio "amplamente majoritário" dos catalães à reforma do estatuto de autonomia e a normalidade do processo, no qual "os catalães falaram claro".O estatutos de autonomia são as normas institucionais básicas concedida pelo Parlamento espanhol às regiões, para reconhecer e fixar as margens de seu autogoverno, com a cessão da gestão de muitas competências, de saúde e educação a ordem pública ou arrecadação fiscal.As 17 regiões espanholas têm estatutos de autonomia, mas a Constituição de 1978 reconhece três "nacionalidades históricas" nas comunidades com língua própria da Catalunha, do País Basco e da Galícia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.