Causa de Gibraltar comove catalães

Separatistas apoiam britânicos da península

O Estado de S.Paulo

14 de agosto de 2013 | 02h09

A mais recente crise entre Madri e Londres a respeito de Gibraltar, iniciada em julho com a instalação, por parte dos britânicos, de um recife artificial no entorno da península, ganhou novos atores. Se, por um lado, os espanhóis buscam na ONU ajuda argentina contra seu "inimigo comum" - em razão das Malvinas - catalães independentistas, rivais do governo da Espanha, declararam ontem apoio aos britânicos.

A longa fila que tem se formado diariamente em Gibraltar de veículos tentando entrar na Espanha - cuja duração passa de sete horas, segundo relatos de britânicos enfurecidos - tem causado transtornos crescentes para os habitantes locais.

Após a instalação do recife artificial, que, segundo pescadores espanhóis, prejudica sua atividade, a Espanha passou a fiscalizar com rigidez os veículos que entram em seu país por essa fronteira, alegando querer coibir o tráfico de drogas e o contrabando.

Um dos principais partidos separatistas catalães, a Esquerda Republicana da Catalunha, expressou ontem sua solidariedade aos "intimidados" moradores do território britânico.

A legenda independentista mandou uma carta ao ministro-chefe de Gibraltar, Fabian Picardo, lamentando o "assédio" do governo central da Espanha - que nega ter intensificado a fiscalização na fronteira como represália pela instalação do recife artificial britânico.

A chancelaria britânica fez uma reclamação formal ontem ao Ministério das Relações Exteriores espanhol e Gibraltar pediu à Comissão Europeia que investigue o caso.

O fragata HMS Westminster partiu ontem do porto britânico de Portsmouth em direção à região. O navio deverá atracar em Gibraltar nos próximos dias e, juntamente a outras embarcações da Marinha Real Britânica, participará de exercícios militares. / REUTERS e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.