Causadores dos distúrbios no Reino Unido limparão áreas destruídas

Medida anunciada por Nick Clegg deve servir de punição alternativa para jovens que não forem presos

Efe

16 de agosto de 2011 | 12h34

LONDRES - As pessoas que participaram dos distúrbios no Reino Unido deverão limpar as áreas que destruíram, anunciou nesta terça-feira, 16, o vice-primeiro-ministro britânico, Nick Clegg.

 

O objetivo da medida do Governo de David Cameron é punir os jovens processados que não forem presos, para que pagando pelos atos que fizeram não voltem a delinquir.

 

O Ministério da Justiça recomendará aos juízes decretar este tipo de punição para que os participantes dos distúrbios enfrentem as comunidades que danificaram.

 

"Quero que vejam suas vítimas", disse o vice-primeiro-ministro, quem explicou que os causadores dos distúrbios limparão as ruas usando roupas da cor laranja.

 

As vítimas só se sentirão protegidas se o castigo aos criminosos os fizer não voltar a cometer estes delitos, assinalou Cregg, para quem com essa medida os autores dos distúrbios poderão comprovar o dano que fizeram.

 

O vice-primeiro-ministro anunciou ainda a criação de uma comissão independente para ouvir as vítimas e as comunidades afetadas.

 

A comissão deve elaborar um relatório em até nove meses para apresentar aos líderes dos três principais partidos.

 

O primeiro-ministro, David Cameron, visitou nesta terça-feira a área afetada pelos distúrbios no bairro londrino de Tottenham, e esteve em um centro social que fornece comida e roupa a 200 pessoas que perderam suas casas pelos incêndios. Ele conversou com as vítimas e com bombeiros.

 

Os distúrbios ocorridos em Londres e em outras cidades do país provocaram a detenção, só na capital, de 1.635 pessoas, das quais 940 já foram processadas.

 

Entre eles está um adolescente de 16 anos acusado da morte de um homem de 68 anos que foi atacado quando tratava de evitar um incêndio em Ealing, no oeste de Londres, na semana passada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.