Causas de acidente na Argentina só serão conhecidas em meses

Autoridades não descartam nenhuma hipótese; nenhum dos 22 ocupantes sobreviveu

Efe

19 de maio de 2011 | 19h59

Avião se reduziu a cinzas no acidente em Río Negro

 

BUENOS AIRES - A Junta de Investigação de Acidentes de Aviação Civil (JIAAC) da Argentina deu início nesta quinta-feira, 19, ao processo de apuração para determinar as causas que provocaram a queda de um avião da Sol Líneas Aéreas em Río Negro, no sul da Argentina, afirma o jornal Clarín. O que causou o acidente, que matou 22 pessoas, porém, só deve ser conhecido em alguns meses.

 

Veja também:

especialOs piores acidentes aéreos

 

A empresa admitiu que "não há indícios" do que pode ter ocorrido com o avião modelo Saab 340 que se acidentou. A Sol Líneas Aéreas expressou suas condolências aos familiares e amigos dos 19 passageiros, dois pilotos e da aeromoça mortos na queda. A companhia afirmou que está prestando assistência psicológica e transporte a essas pessoas.

 

As autoridades informaram que deve levar ao menos três meses para que se obtenham "dados certeiros" sobre as causas da tragédia. A Administração Nacional de Aviação Civil (Anac) informou em um comunicado que está em contato com o órgão de investigações e que o JIAAC "não vai se pronunciar publicamente até que sejam realizadas todas as tarefas do procedimento de casos desse tipo".

 

As autoridades não descartam nenhuma hipótese para o acidente, levando em consideração que pode ter sido causado por falhas de pilotagem, de equipamento, de tráfego aéreo. Os investigadores ainda vão recolher depoimentos das testemunhas do acidente, já que os moradores da região onde a aeronave caiu disseram ter visto uma "bola de fogo vindo do céu".

 

O avião caiu em uma região remota da Patagônia argentina. Nenhum dos ocupantes sobreviveu e o avião se transformou em cinzas. Equipes de bombeiros e da polícia iniciaram as buscas pela aeronave, confirmou um porta-voz do governo de Río Negro.

Tudo o que sabemos sobre:
ArgentinaAcidenteavião

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.