AP
AP

Cauteloso, Kerry defende negociações com Irã sobre programa nuclear

Posso assegurar Israel que não faremos nada com base na credulidade, diz secretário

O Estado de S. Paulo,

03 de outubro de 2013 | 08h30

TÓQUIO  - O secretário de Estado americano, John Kerry, disse nesta quinta-feira, 3, em Tóquio, onde está em visita oficial, que "seria uma negligência diplomática" por parte de Washington não buscar o diálogo com o Irã, mas alertou que essa aproximação requer primeiro ações concretas por parte de Teerã.

Em seu primeiro pronunciamento depois que o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, pediu nesta semana que os Estados Unidos não confiem nos últimos gestos do presidente iraniano, Hassan Rohani, Kerry afirmou que não buscar a aproximação com Teerã seria uma negligência diplomática do pior tipo.

"Eu não interpretei os comentários do primeiro-ministro Netanyahu como uma sugestão de que estamos sendo considerados tolos. Entendi que se tratava de uma advertência: não se deixem enganar", explicou o secretário de Estado em entrevista coletiva na capital japonesa.

Kerry ainda deixou claro que os EUA exigirão como condição prévia ao diálogo provas de que o Irã não está desenvolvendo armas atômicas. "Posso assegurar ao primeiro-ministro Netanyahu e a Israel que nada do que façamos terá  base exclusivamente na credulidade", acrescentou o chefe da diplomacia americana

Em 27 de setembro, os presidentes dos Estados Unidos, Barack Obama, e do Irã, Hassan Rohani, mantiveram uma histórica conversa telefônica,a primeira entre os máximos líderes de ambos países desde 1979, sobre o programa nuclear iraniano, o que alimentou as expectativas em torno de um possível acordo para por fim ao impasse entre Teerã e as potências ocidentais. / EFE

Tudo o que sabemos sobre:
EUAIrãJohn Kerryimpasse nuclear

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.