Cavaco defende diálogo com premier socialista em Portugal

O presidente português, o conservador Aníbal Cavaco Silva, defendeu nesta sexta-feira o entendimento com o primeiro-ministro, o socialista José Sócrates, como uma forma de dar "estabilidade política" ao país e ajudar a resolver seus problemas. Numa entrevista à rede de TV "SIC-Notícias" Cavaco, que chegou ao poder em março, considerou "benéficas para Portugal" as suas reuniões semanais com Sócrates sobre questões de governo. Para ele, um chefe de Estado deve ajudar a "criar um clima de confiança" na nação. O presidente sustentou que o diálogo entre os dois é positivo para os cidadãos e garante a credibilidade, "estimulando o investimento" em Portugal. Cavaco, que foi líder do principal partido de oposição a Sócrates, o Social Democrata, apoiou as reformas do primeiro-ministro para reduzir o déficit e aumentar a eficiência de serviços como administração, educação e saúde pública. "Praticamente ninguém sabe o que discutimos. A cooperação é silenciosa" afirmou Cavaco. O chefe de Estado lembrou sua experiência de uma década como primeiro-ministro e ressaltou que não quer ser "um contrapoder", e sim colaborar na solução dos problemas nacionais. No entanto admitiu que "pode haver algum desacordo pontual" com Sócrates, cujo Partido Socialista ganhou com maioria absoluta as eleições do ano passado. Ele está disposto a usar seu poder de veto, como já fez quando devolveu ao Parlamento uma lei socialista sobre igualdade de homens e mulheres nas listas eleitorais. Sobre a proposta socialista de convocar um plebiscito no próximo ano para descriminalizar a legislação sobre o aborto, não quis antecipar se vai apoiar ou vetar a proposta. Apenas lembrou que a partir da próxima semana terá um prazo de 20 dias para anunciar sua decisão.

Agencia Estado,

17 Novembro 2006 | 04h03

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.