'Cavaliere' já não reina absoluto no próprio partido

CENÁRIO: Jim Yardley

/ NYT, O Estado de S.Paulo

03 de outubro de 2013 | 02h07

Há 20 anos, o ex-primeiro-ministro Silvio Berlusconi não só lidera um poderoso movimento político de centro-direita da Itália; ele é praticamente o seu dono. Magnata bilionário da mídia, financia campanhas e avalia os candidatos do seu partido. Seu poder é tão absoluto que mesmo aos 77 anos, ainda não preparou um sucessor.

Nos últimos dias, entretanto, vários parlamentares de centro-direita, incluindo os cinco ministros dos quais Berlusconi exigiu a renúncia para derrubar o premiê, indicaram apoio ao governo. "Esse é um acontecimento político da maior importância", afirmou Franco Pavoncello, presidente da Universidade Giovanni Caboto de Roma, especialista em política italiana. "Trata-se de uma cisão."

A política italiana tem um caráter turbulento, barroco, mesmo quando há pouco em jogo. Entretanto, os analistas concordam que agora há muito em jogo. Além do futuro da Europa, está na balança o longo reinado de Berlusconi. Seu carisma, dinheiro e esperteza política mantiveram a centro-direita unida durante anos, segundo os analistas.

O cerco em torno dele tende a se fechar. Por sua recente condenação por fraude fiscal, ele deverá começar a cumprir uma sentença de um ano no dia 15, em prisão domiciliar. Na sexta-feira, uma comissão especial do Senado retomará as deliberações para a sua expulsão do Senado. E um tribunal de Milão em breve decidirá por quantos anos Berlusconi será proibido de exercer um cargo público, com base em sua condenação por fraude. Além disso, seu império financeiro terá de pagar uma multa de cerca de 500 milhões.

Seus fiéis partidários atribuem os problemas do líder a um Judiciário politicamente tendencioso. Mas admitem que Berlusconi está profundamente preocupado com a possibilidade, ao ser expulso do Senado - e portanto perder alguns privilégios, como a imunidade parlamentar - de tornar-se mais vulnerável a outras investigações. / TRADUÇÃO DE ANNA CAPOVILLA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.