Cavallo vai explicar seu plano ao FMI

O ministro argentino da Economia, Domingo Cavallo, partiu nesta sexta-feira à noite para Washington para participar da assembléia do FMI. Em sua maleta, levou os objetivos que tem para o país nos próximos meses. Segundo os documentos elaborados por sua equipe, Cavallo vai explicar que já salvou a coalizão de governo, Aliança UCR-Frepaso, e que implementou o imposto sobre operações financeiras, além de ter obtido do Congresso Nacional os poderes especiais para comandar a política econômica. O ministro também explicará que a situação fiscal deste ano já está resolvida, mas que a longo prazo ainda é preciso saber como reduzir a pressão fiscal sobre o setor privado. Entre os projetos para a reforma do Estado, Cavallo anunciará em Washington que pretende constituir uma única agência que controlaria o ANSES (Sistema Estatal de Aposentadoria), a Previdência e o sistema de planos de saúde. Cavallo também exporá aos diretores do Fundo um gráfico no qual sustenta que o euro e o dólar estarão equiparados um a um em fevereiro do ano 2002. Esta equiparação é considerada "sine qua non" para a implementação do projeto da cesta de moedas de Cavallo, que estabelece que o peso, além de estar amarrado ao dólar, ficaria vinculado ao euro. A CPMF argentina - o imposto sobre transfêrencias bancárias -, que era de 0,25%, será aumentado para 0,4%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.