CBS se desculpa por reportagem sobre vida militar de Bush

A rede de TV americana CBS retratou-se de uma reportagem de seu programa 60 Minutes que levantava dúvidas sobre a passagem do presidente George W. Bush pelo serviço militar na Guarda Aérea Nacional do Texas, nos anos 70. A emissora admitiu que quatro documentos que serviram de base para a reportagem, levada ao ar em 8 de setembro, não tiveram autenticidade comprovada. "A comprovação da autenticidade dos documentos era o único critério jornalisticamente aceitável para justificar seu uso na reportagem", diz uma declaração assinada pelo presidente da CBS, Andrew Heyward, divulgada hoje. "Não deveríamos tê-los usado. Foi um erro pelo qual lamentamos profundamente." A CBS, no entanto, evitou afirmar que os documentos foram manipulados ou forjados. Os memorandos teriam sido escritos por um comandante da Guarda Nacional, que morreu nos anos 80. Segundo eles, Bush descumpriu regulamentos militares, deixou de comparecer a vários exercícios e foi considerado inapto para pilotar aviões de combate. Os papéis foram enviados à CBS por um tenente-coronel da reserva da Guarda Nacional, Bill Burkett. "Apreciamos o pedido de desculpas, mas ainda há questões importantes para serem esclarecidas", declarou o porta-voz da Casa Branca, Scott McClellan, indagando particularmente por que a CBS confiou em Burkett. O principal âncora da CBS, Dan Rather, entrevistou Burkett para um programa que iria ao ar hoje à noite.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.