Evelyn Hockstein
Evelyn Hockstein

Órgão americano recomenda que escolas nos EUA reabram com protocolos de saúde rígidos

Cinco estratégias operacionais focam em uso de máscaras, distanciamento social, higiene pessoal, limpeza das instalações e rastreamento de contato

Redação, O Estado de S.Paulo

12 de fevereiro de 2021 | 21h06

WASHINGTON - Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC) divulgou nesta sexta-feira, 12, uma nova orientação para a reabertura das escolas americanas, recomendando o uso de máscara e distanciamento social como principais estratégias para trazer as crianças de volta à sala de aula.

As diretrizes, que também enfatizam a necessidade de limpeza das instalações, higiene pessoal e rastreamento de contato, pretendem dar aos colégios um roteiro para trazer os 55 milhões de alunos de escolas públicas do país de volta às escolas sem desencadear surtos de covid-19.

“Acreditamos que com as estratégias que apresentamos, não haverá transmissão limitada nas escolas se as diretrizes forem seguidas", disse a diretora do CDC, Rochelle Walensky, à agência de notícias Reuters, observando que o CDC não estava exigindo que as escolas reabrissem.

“Quero ser clara: com o lançamento dessa estratégia operacional, o CDC não está obrigando a reabertura das escolas”, explicou Walensky. “Essas recomendações simplesmente fornecem às escolas um roteiro há muito necessário para fazer isso com segurança em diferentes níveis de doença na comunidade”.

Segundo a CNN, vacinas e testes não estão entre as estratégias "principais" que a agência apresenta. A pasta também disse que a reabertura de escolas não deveria ser condicionada ao acesso dos professores às vacinas da covid-19, mas recomenda altamente a prioridade de vacinação para professores e funcionários das escolas.

A reabertura dos colégios tem sido foco de disputas trabalhistas entre sindicatos de professores e seus distritos na maioria das cidades nos Estados Unidos. Em Chicago, esta semana, após meses de negociações que incluíam ameaças de fechamento geral e greve, o sindicato dos professores e o distrito chegaram a um acordo sobre um plano de segurança.

Em 20 de janeiro de 2021, o presidente Joe Biden prometeu reabrir a maioria das escolas em 100 dias de posse. No último domingo, 7, ele disse que problemas decorrentes do fechamento contínuo de escolas, incluindo problemas de saúde mental nas crianças e o êxodo dos pais da força de trabalho, se tornaram uma emergência nacional.

Apenas 44% dos distritos escolares dos EUA estavam oferecendo aulas presenciais em dezembro e 31% estavam operando totalmente de forma remota, de acordo com o Centro de Reinvenção da Educação Pública, que pesquisou 477 dos quase 13 mil distritos escolares.

Outras escolas empregaram o modelo híbrido de aprendizagem, em que os alunos participam de alguns dias letivos pessoalmente e alguns virtualmente.

A estratégia de ação em fases do CDC pretende ser flexível, dependendo do nível de transmissão da covid-19 em uma comunidade escolar. Em áreas onde a taxa de teste positivo de covid-19 é inferior a 5% e há menos de nove novos casos por 100 mil habitantes nos últimos sete dias, as escolas podem reabrir totalmente e relaxar com as medidas de distanciamento social, desde que as máscaras sejam usadas, disse Walensky.

Nas áreas de alta transmissão, a agência está pedindo 1,83 m de separação em salas de aula e testes semanais de alunos, professores e funcionários. Segundo o Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos, alunos, famílias, professores, funcionários da escola e todos os membros da comunidade precisam tomar medidas para se proteger e proteger outras pessoas onde vivem, trabalham, aprendem e se divertem.

Estudos recentes mostraram que a aprendizagem presencial não foi associada ao aumento da transmissão na comunidade, especialmente nas escolas primárias, observou o CDC. Uma pesquisa do centro indica que os casos de covid-19 em escolas tendem a se originar da comunidade externa. /Com agências

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.