EFE/ Miguel Gutiérrez
EFE/ Miguel Gutiérrez

Celebrado mundo afora, Juan Guaidó enfrenta desafio na Venezuela

Apesar do apoio internacional, o autoproclamado presidente interino da Venezuela segue sem conseguir unir a oposição e com uma popularidade em queda

Julie Turkewitz, New York Times, O Estado de S.Paulo

14 de fevereiro de 2020 | 13h00

BOGOTÁ - Quando Juan Guaidó, o líder da oposição venezuelana, desembarcou nesta semana em Caracas, após uma turnê mundial destinada a angariar apoio à mudança de regime, o governo autoritário da Venezuela o ignorou. 

Não mandou prendê-lo nem tomou nenhuma atitude, o que teria galvanizado apoiadores e poderia torná-lo um heroi da oposição.

Em vez disso, o presidente Nicolás Maduro pareceu cumprimentar seu rival, Juan Guaidó, com a mesma política de estrangulamento lento que drenou a oposição de grande parte de seu impulso ao longo do ano passado.

Reprimiu seu movimento o suficiente para desgastar seus membros, mas sem ir tão longe a ponto de estimular o mundo a agir.

Momentos antes da chegada de Guaidó, os apoiadores de Maduro atacaram jornalistas que estavam lá para cobrir sua chegada, socando-os e arrastando pelo menos uma mulher pelos cabelos

Para Entender

Venezuelanos vão às ruas contra o governo de Nicolás Maduro; entenda os motivos da manifestação antichavista

Protestos foram convocados pela oposição e receberam apoio dos Estados Unidos.

Assim que Guaidó pousou, os apoiadores do governo o perseguiram para fora do aeroporto, interrompendo os planos que ele tinha para fazer um discurso e depois atacaram seu carro com cones de trânsito e pelo menos um poste de metal.

E quando Guaidó entrou, as autoridades prenderam seu tio, acusando-o, sem apresentar provas, de trazer explosivos para o país.

Horas depois, Guaidó ficou com algumas centenas de apoiadores em uma praça em um reduto da oposição no leste de Caracas e declarou vitória. "Desafiei a ditadura e entrei no país", disse ele. "A Venezuela será democrática e livre."

Guaidó também disse que anunciaria a criação de um "Fundo da Venezuela", um programa multilateral destinado a ajudar o país a se recuperar de sua longa e devastadora crise econômica.

Mas ele não ofereceu outro plano para remover Maduro. Isso, juntamente com sua chegada caótica e a crescente frustração entre sua base causada pelo ritmo glacial da mudança, falou eloquentemente sobre os desafios que Guaidó enfrenta em casa.

Na terça-feira, 4, quando Guaidó chegou à capital da Venezuela, Caracas, o mais poderoso aliado de Maduro, Diosdado Cabello, zombou do tamanho da multidão que o recebera no aeroporto e menosprezou seu movimento.

Guaidó lançou um desafio direto a Maduro há um ano, quando apontou irregularidades na sua reeleição e afirmou ser o presidente interino do país, recebendo o apoio de milhões de venezuelanos e dezenas de governos estrangeiros, incluindo os Estados Unidos.

Desde então, apesar do uso de sanções econômicas pelos Estados Unidos para prejudicar a economia do país e tentar forçar a expulsão de Maduro, Guaidó não conseguiu tomar o poder e convocar novas eleições presidenciais - seus objetivos declarados.

Em 19 de janeiro, ele deixou o país para conseguir um apoio maior no exterior, desafiando uma proibição de viagens imposta pelo governo de Maduro. 

Em sua viagem, ele ganhou as manchetes quando se sentou com o presidente Trump e recebeu um lugar de destaque no estado do discurso do sindicato. Lá, Trump defendeu os esforços do líder da oposição.

Guaidó também se encontrou com Angela Merkel, da Alemanha, e Emmanuel Macron, da França, e foi recebido por milhares de venezuelanos na Flórida.

O consultor de segurança nacional de Trump, Robert O'Brien, sinalizou que ações substanciais poderiam estar a caminho, incluindo sanções contra a empresa estatal de petróleo da Rússia, Rosneft.

O petróleo impulsiona a economia da Venezuela e a Rosneft tem sido a principal transportadora de petróleo do país.

Mas em casa nada mudou e Maduro permaneceu firmemente no controle do país, jogando o que parece ser um longo jogo de desgaste.

Guaidó também está se aproximando de um ponto de crise que representa uma ameaça crítica à oposição e à sua reivindicação de ser o presidente interino do país.

A Assembléia Nacional, a legislatura, é o último grande órgão político do país que a oposição alega controlar. Mas 2020 é um ano de eleição para a assembléia, e os oponentes de Maduro estão divididos sobre a possibilidade de participar.

Se a oposição participar, eles correm o risco de legitimar uma eleição potencialmente fraudada. Se não, correm o risco de entregar o controle a Maduro.

Guaidó, até agora, não declarou uma posição. Phil Gunson, analista de Caracas do International Crisis Group, disse que não importa o que a oposição decida, Maduro deve assumir a assembléia este ano.

Mas se Guaidó não tomar uma decisão - e logo - ele corre o risco de ser irrelevante. "Não pode haver mais rodeios", disse Gunson. "Ele tem que ser um líder."

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.