Celso Amorim vai a Moscou discutir crise no Iraque

O ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, estará em Moscou na próxima segunda-feira para debater com o governo russo a crise do Iraque. Amorim terá uma conversa reservada com o ministro de Relações Exteriores russo, Sergei Ivanov, e deverá mostrar o apoio do País em relação a uma proposta de solução política para a situação em Bagdá. "O Brasil está preocupado com os aspectos econômicos de uma eventual guerra. Temos que explorar todas as soluções para o Iraque", afirma o chanceler, que está em Tóquio para participar de uma conferência com outros 25 países sobre as negociações comerciais da Organização Mundial do Comércio (OMC). Um conflito, segundo ele, poderia prejudicar os esforços do governo Lula, já que a aversão ao risco aumentaria no mercado financeiro e a instabilidade voltaria. "As conseqüências de uma guerra para os países emergentes seriam imediatas", afirmou.Segundo Amorim, a decisão de falar com Ivanov foi motivada pela necessidade do governo brasileiro de saber o que está sendo discutido sobre uma eventual guerra. "O Brasil não pode ficar observando passivamente e esperando o que ocorrerá. Temos que ir e ver o que está sendo debatido sobre a crise, até mesmo para nos preparar", afirmou. Além de Ivanov, Amorim tem falado nos últimos dias com os ministros de Relações Exteriores da Alemanha e França, dois outros países que não apóiam uma guerra contra Bagdá. "Não estamos apoiando o Iraque. O problema é que o custo humano e político de uma guerra será grande", disse o chanceler, que acredita que uma posição mais proativa do Iraque na crise poderia ajudar a evitar um conflito.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.