Células da Al-Qaeda podem estar baseadas no Canadá

Um imigrante argelino detido em Ottawa tinha vínculos com um dirigente da Al-Qaeda - o que indica a possibilidade de que outros membros da rede terrorista se encontrem no país, disseram funcionários da inteligência canadense. Mohamed Harkat aguardava ordens para promover um atentado, disse o serviço de segurança e inteligência do Canadá, em um informe datado de segunda-feira e divulgado hoje. As autoridades canadenses estudam a possibilidade de deportar Harkat. De acordo com o serviço de inteligência, Harkat, que foi detido no mês passado em Ottawa, foi treinado no mesmo acampamento que Ahmed Ressam, que foi detido em 1999 quando tentava entrar nos EUA com um veículo carregado de explosivos e que se dirigia ao aeroporto de Los Angeles. "A disposição de terroristas islâmicos, de usar o Canadá como plataforma de lançamento, foi demonstrada por Ressam", disse a agência, em seu informe. Harkat, de 34 anos, tinha também contatos com Abu Zubaydah que, segundo funcionários americanos, recrutou combatentes para a Al-Qaeda em diferentes partes do mundo. Acredita-se que Zubaydah, detido em março no Paquistão, seja um dos mais estreitos colaboradores de Osama bin Laden, líder da Al-Qaeda. A agência disse que Harkat chegou ao Canadá em 1995, procedente da Malásia. Recebeu asilo em 1997, após convencer as autoridades de que havia entrado no país com um passaporte falso da Arábia Saudita, por estar sendo perseguido pelo governo argelino.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.