Cem mil brasileiros são explorados sexualmente, alerta ONU

A Organização das Nações Unidas (ONU) alerta para a existência de mais de 100 mil crianças e mulheres no Brasil sendo exploradas sexualmente. A informação faz parte do relatório "Lucrando com o Abuso", publicado, nesta terça-feira, pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef).O estudo indica a situação brasileira como uma das piores no mundo, sendo superada apenas pelos Estados Unidos, pela Índia e pela Tailândia.Os dados da ONU são resultados de pesquisas feitas em cooperação com a organização não-governamental ECPAT International, que desde 1996 reúne informações sobre a exploração sexual de crianças no mundo e conta com um escritório em Salvador.Segundo o Unicef, o problema está concentrado nas cidades de Salvador, Recife, Fortaleza e Manaus, e a dificuldade de combater essa prática decorre da falta de leis. "A impunidade é um dos principais problemas no combate à exploração sexual", afirma o relatório.Na avaliação dos autores do documento, pobreza, discriminação, crime organizado e comércio de drogas são os principais elementos que geram a exploração sexual no Brasil.Outro fator que contribui para o problema é o turismo sexual, principalmente nas capitais do Nordeste brasileiro. Segundo o Unicef, cerca de 14% das crianças e das mulheres exploradas sexualmente no País fazem parte desse mercado.Para acabar com a exploração no Brasil e nos demais países, o Unicef promove, a partir da semana que vem, uma conferência mundial no Japão."Milhões de crianças estão sendo vendidas e compradas como animais e usadas como escravos sexuais", afirma Carol Bellamy, diretora do Unicef. Segundo dados da organização, cerca de um milhão de meninas entram todo o ano para o comércio lucrativo do sexo, que só na Tailândia gera US$ 300 milhões.Além de leis eficazes, o Unicef sugere que governos invistam na educação das crianças. Outra proposta da organização é de que a comunidade internacional estabeleça mecanismos de cooperação, já que os grupos que promovem a exploração sexual estão espalhados por vários países.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.