Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Cristian Hernández / EFE
Cristian Hernández / EFE

Cenário: Nível de adesão testará coesão de aliança opositora

Criada em 2010 para a eleição parlamentar, ainda no governo de Hugo Chávez, a coalizão raramente foi de fato uma unidade

Luiz Raatz, O Estado de S. Paulo

01 de setembro de 2016 | 05h00

Ao longo deste ano, a coalizão opositora venezuelana Mesa de Unidade Democrática (MUD) convocou diversos protestos para pressionar o governo do presidente Nicolás Maduro a acelerar o processo de referendo revogatório do seu mandato. A maioria foi insuficiente para criar um grau elevado de pressão popular sobre o governo. Desta vez, a MUD promete que será diferente. O motivo: o chamado foi feito, de maneira inédita, por toda a coalizão. 

Criada em 2010 para a eleição parlamentar, ainda no governo de Hugo Chávez, a coalizão raramente foi de fato uma unidade. Por reunir diversos partidos e líderes – com agendas e projetos de poder distintos –, a MUD tem dificuldade em mostrar coesão. Os protestos de 2014, por exemplo, que terminaram com mais de 40 mortes, foram convocados por Leopoldo López, Maria Corina Machado e Antonio Ledezma, mas à revelia de Henrique Capriles, candidato presidencial derrotado por Maduro. 

Em meio a uma profunda crise econômica, com oito em cada dez produtos da cesta básica ausentes das prateleiras e com 80% dos venezuelanos insatisfeitos com Maduro, a MUD ainda não conseguiu traduzir essa insatisfação para a rua. 

Do lado chavista, com a gestão da economia cada vez mais conturbada – o preço do petróleo continua baixo, o nível das reservas cambiais caiu pela metade na comparação com fevereiro e o comando da equipe econômica foi trocado pela segunda vez este ano –, a aposta é na retórica do medo e da intimidação. 

Maduro já avisou que a marcha não está autorizada e pretende prender quem torná-la violenta. Jornalistas estrangeiros foram barrados de entrar na Venezuela nos últimos dias. Alguns membros da oposição, especialmente do partido Voluntad Popular, de Leopoldo López, foram presos. A bola, no entanto, está nos pés da oposição. 

 

Tudo o que sabemos sobre:
Venezuela

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.