Evan Vucci / AP
Evan Vucci / AP

Cenário: O significado do fracasso para quem apostou na cúpula

O americano Donald Trump e o norte-coreano Kim Jong-un não chegaram a um acordo para a desnuclearização da Coreia do Norte, que continuará sofrendo sanções internacionais

Hyonhee Shin, O Estado de S.Paulo

01 de março de 2019 | 05h00

O americano Donald Trump e o norte-coreano Kim Jong-un não chegaram a um acordo para a desnuclearização da Coreia do Norte, que continuará sofrendo sanções internacionais. Mas o que o fracasso significa para os países envolvidos nas negociações para encerrar o impasse nuclear na região?

EUA. Trump sofreu um revés. Autointitulado “negociador”, está sob pressão por elo com a Rússia e pelo depoimento de Michael Cohen, seu ex-advogado, que o acusa de violar a lei. Mas nenhum acordo é melhor do que um mau acordo. Os críticos temiam que ele firmasse um acordo apenas parcial e não exigisse nada em troca. 

Coreia do Norte. Kim não conseguiu a suspensão das sanções e tem pela frente a difícil tarefa de recuperar a economia norte-coreana. No entanto, sem um alívio das sanções, há pouca coisa que pode ser feita.

Coreia do Sul. O fracasso é um golpe para o presidente Moon Jae-in, que defende a criação de uma comunidade econômica entre as duas Coreias, a abertura de fábricas e investimentos no país vizinho. Um acordo favoreceria o ambiente, incluindo um tratado que encerrasse oficialmente a guerra e possibilitasse a retirada de 28,5 mil soldados dos EUA da Coreia do Sul.

Japão. O Japão temia que o acordo significasse concessões no campo da segurança para a Coreia do Norte, que chegou a ameaçar destruir o país. Tóquio é contra a suspensão das sanções sem garantias de desnuclearização. O governo japonês está com Trump, em parte para assegurar que não seja esquecida a questão dos japoneses sequestrados pela Coreia do Norte, nos anos 80 e 90, para treiná-los como espiões.

China. A China é o único país aliado importante da Coreia do Norte e foi sede de em diversas negociações diplomáticas sobre a questão nuclear. Pequim defende que os EUA aliviem as sanções antes da desnuclearização. O fracasso deve aumentar a percepção da imprevisibilidade de Trump como negociador no momento em que chineses e americanos tentam um acordo para acabar com a guerra comercial.

Vietnã. Como anfitrião da cúpula, o Vietnã pretendia aproveitar a imagem de promotor da paz, surgindo como membro da comunidade internacional confiável. Após o encerramento do encontro em Hanói, o departamento de propaganda do Partido Comunista do Vietnã enviou mensagem aconselhando os jornalistas locais a não criticarem Trump e Kim e evitarem títulos com a palavra “fracasso’. “Não façam comentários negativos que possam afetar os dois líderes”, foi o teor da mensagem. / REUTERS 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.