Cenário: Poder russo sobre rebeldes é a chave

A principal questão por trás da relação Moscou-Kiev é quanto controle a Rússia exerce sobre os separatistas na Ucrânia oriental - e se ela será capaz de contê-los e permitir a existência do cessar-fogo. Apesar de a Rússia afirmar que não influência nem fala por separatistas, muitos na Ucrânia e no Ocidente não acreditam nisso. O presidente ucraniano aludiu à influência da Rússia entre os separatistas num recente discurso para universitários. Ele disse que o país enfrenta um novo tipo de guerra - com o uso de "grupos subversivos profissionais, mercenários, voluntários e população local".

Lydia Tomkiw, CSMONITOR

21 de junho de 2014 | 02h06

A proposta de cessar-fogo surge no momento em que Rússia e Ucrânia travam uma terceira "guerra do gás". Na segunda-feira, a Rússia interrompeu o fluxo para a Ucrânia alegando bilhões em dívidas não pagas. Vale lembrar o que escreveu o jornalista Fred Weir: "Moscou sempre venceu suas batalhas do gás com a Ucrânia em boa parte porque Kiev é dependente da estatal russa Gazprom em cerca de três quartos do gás que movimenta as indústrias pesadas notoriamente ineficientes do país e aquece seus lares no inverno. Apesar do respaldo financeiro e do apoio moral da Europa e dos EUA, a Ucrânia não tem uma solução que a libertaria da dependência do gás russo tão cedo". / CELSO PACIORNIK

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.