AP Photo/Dmitri Lovetsky
AP Photo/Dmitri Lovetsky

Cenário: Politização dos  jovens é decisiva

A maioria dos manifestantes nasceu ou cresceu durante os 17 anos de Vladimir Putin no poder

   Nataliya Vasilyeva e Jim Heintz* / AP, O Estado de S.Paulo

13 de junho de 2017 | 05h00

Os protestos de ontem, que coincidiram com o Dia da Rússia, feriado nacional, foram marcados pela presença expressiva de um grupo em particular: os jovens. A maioria dos manifestantes nasceu ou cresceu durante os 17 anos de Vladimir Putin no poder. Multidões similares também protestaram em 26 de março, inquietando as autoridades que consideravam essa jovem geração totalmente apolítica.

Em Moscou, três garotas de 16 anos com folhas de papel em mãos sentaram-se na calçada para escrever artigos da Constituição russa; um grupo de adolescentes do alto de uma barraca exibia cartazes com a inscrição “a corrupção mata o futuro”. Outros jovens carregavam um que dizia “só a revolução derrotará a corrupção”. Os professores de escolas e universidades que teriam repreendido os alunos por participar das manifestações em março, desta vez, os advertiram a não aderir aos protestos.

Ivan Sukhoruchenkov, de 19 anos, participou da manifestação com quatro colegas da universidade para protestar contra o que descreveu como “estagnação do sistema político”. “Mudanças são sempre boas”, disse o jovem, acrescentando que ele e seus colegas estavam preocupados com a corrupção – “que se manifesta em todas as áreas, da polícia que controla o trânsito aos professores das universidades”, disse ele. Alexei Navalni convocou as manifestações contra a corrupção. Algumas foram pacíficas e autorizadas pelas autoridades, mas outras foram reprimidas brutalmente pela polícia. O fato é que os protestos enfatizaram o profundo descontentamento com o governo. 

As autoridades em Moscou permitiram a concentração promovida por Navalni, mas no domingo à noite ele disse que a interferência oficial impediu que a empresa contratada armasse o palanque no local acertado. Diante do sentimento de hostilidade cada vez mais forte e a reação das novas gerações russas, as autoridades estão buscando uma estratégia para minar a oposição sem provocar mais animosidade. / TRADUÇÃO DE TEREZINHA MARTINO

*SÃO JORNALISTAS

Tudo o que sabemos sobre:
RússiaVladimir Putin

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.