David Becker/AFP
David Becker/AFP

Cenário: Route 91 Festival, a ‘festa do pijama’ que acabou em pesadelo 

Luke Bryan, o rei do country, dizia que o Route 91 era um 'parque de diversões para adultos'

Avi Selk e Amy Wang* / W. POST, O Estado de S.Paulo

03 Outubro 2017 | 05h00

As pessoas o chamavam de “festa do pijama de néon”. Route 91 Festival, três dias de música country em um espaço de 60 mil metros quadrados em Las Vegas. Você poderia levar as crianças, mas nada de ursinho de pelúcia ou fogos de artifício. Você poderia beber e depois dormir em um estacionamento para motorhomes a US$ 45 por noite.

Ou quem sabe no Mandalay Bay Resort, ao lado, onde no domingo um homem armado assistia tudo do 32.º andar. Luke Bryan, o rei do country, dizia que o Route 91 era um “parque de diversões para adultos”. A programação deste ano estava cheia de estrelas. Eric Church tocou na primeira noite. No sábado, foi a vez Sam Hunt, a “maior promessa do country desde Taylor Swift”. Mas a terceira noite não terminou.

+ Público em Las Vegas confundiu disparos de arma com fogos de artifício

Sexta-feira. Um casal ficou noivo recitando a letra de Make You Mine, de High Valley, enquanto ventiladores sopravam água na multidão sob o sol de Nevada. O campeão olímpico Michael Phelps abraçou a mulher. Eles tinham saído do Arizona para curtir o festival. Ao cair da tarde, a plateia cobriu o campo em frente ao palco principal. “Para ficar na história”, escreveram os Brothers Osborne no Twitter. Quando Church subiu ao palco para o grande show da noite, uma caveira surgiu no tambor da bateria atrás dele.

Sábado. “Não dá pra acreditar que vamos começar tudo de novo”, anunciou a conta oficial do festival no Twitter. Brett Young tocou. Assim como Lauren Alaina e Maren Morris. Para Bobby Bones, o Route 91 foi “o melhor festival de música country do ano”, parecia uma reunião de família dos artistas de Nashville. Quando tomou o palco, Bones tirou uma energia única da multidão. 

Domingo. Taylor Benge, de 21 anos, ficou tomando margaritas e vodca com Red Bull. Na verdade, ele nem gostava de música country, mas enfrentava o término de um namoro e o festival era uma boa distração. Ele estava lá, tomando uns goles, quando a banda de Kane Brown deu lugar a Big & Rich e aos últimos atos do fim de semana. Quando Benge ouviu os primeiros estampidos, achou que fossem fogos de artifício. Jason Aldean estava nos primeiros acordes de When She Says Baby quando começaram os disparos. “É tiro?”, pensou. Aldean correu para longe do palco, assim como outros artistas e espectadores – fugindo e gritando, caindo e morrendo. / TRADUÇÃO DE RENATO PRELORENTZOU

*SÃO JORNALISTAS

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.