KCNA/Handout via REUTERS
KCNA/Handout via REUTERS

Cenário: Um lançamento que incomoda muita gente

Míssil disparado sobre o Japão, irritou Tóquio, mas também preocupou a Rússia, pois o artefato passou a 43 km de uma de suas bases

Roberto Godoy, O Estado de S.Paulo

29 Agosto 2017 | 05h00

A ameaça que eleva a condição de defesa dos EUA, o Defcon, de cinco estágios, foi aumentada nesta segunda-feira, em um ponto, depois do novo teste com um míssil de longo alcance pela Coreia do Norte. Não foi informado o nível atingido, mas qualquer que seja, é o início de uma escalada no Pentágono. Há razões para isso. A projeção digital da trajetória do foguete indica que uma ogiva de ataque de uma tonelada poderia ter atingido Chicago, Los Angeles ou, talvez, Washington. 

O ensaio desta vez incomodou severamente. A trajetória do veículo de 18 metros foi intencionalmente limitada, descendo como uma bola de fogo desde 3.500 km até um ponto no mar, a 1.180 km do Cabo Erimo, a leste da Ilha da Hokkaido, a segunda maior do Japão. Na capital, Saporo, vivem 1,9 milhão de habitantes. O míssil passou sobre o arquipélago.

No dia 6 de março, em um experimento múltiplo comandado pessoalmente pelo ditador Kim Jong-un, foram disparados quatro mísseis simultaneamente. Cada um deles caiu a intervalos de exatos 500 km, indicando eficiência na programação da guiagem eletrônica.

Há motivo de desconforto também ao norte, em Moscou. O foguete caiu a apenas 43 km da Ilha Sakalina, base da Marinha da Rússia, de onde saem quase todos os submarinos de ataque e os estratégicos lançadores de foguetes atômicos intercontinentais RSM-56 Bulava, armados com ogivas de transportadoras de 6 a 10 cargas explosivas independentes. 

Nos últimos 20 anos, ao menos dois testes da Coreia do Norte invadiram o espaço japonês, em 1998 e em 2009. A reação em ambas as ocasiões foi discreta e formal. Pouco depois, o Estado-Maior Conjunto informou que está dando “prioridade máxima” à instalação no país de um escudo antimísseis que combina equipamentos de grande altitude cedidos pelos EUA e sistemas de produção própria, uma espécie de 3.ª geração do conjunto americano Patriot. Uma bateria foi instalada no Bosque Ichigaya, próximo do Palácio Imperial, em Tóquio.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.