Cenário: Uma rede complexa e cara que nem sempre consegue evitar o pior

Serviços de contraterrorismo do Reino Unido crescem desde 2005

Roberto Godoy, O Estado de S.Paulo

05 de junho de 2017 | 05h00

Os serviços de contraterrorismo do Reino Unido crescem desde de 2005, quando um atentado deixou 56 mortos em Londres. A agressão não aparecia nas análises de risco. Houve dezenas de reuniões, muita gente foi demitida e o premiê Tony Blair determinou a formação de uma força-tarefa para disparar alertas e mobilizar as forças necessárias. Após 12 anos, o resultado é um emaranhado de agências que consomem altos recursos – a última estimativa de orçamento é de US$ 12 bilhões. 

O mapa para entender a complexa rede britânica de combate ao terror passa pelo coordenador de segurança e inteligência, que trabalha no gabinete do premiê. É ele quem gerencia o trabalho nos momentos de crise. O Reino Unido emprega três agências contra o extremismo. O Serviço Secreto de Inteligência (MI-6) capta informações fora do país. O Quartel General de Comunicações Governamentais faz o levantamento de inteligência e sensoriamento eletrônico. Ambas integram o Gabinete da Junta de Inteligência. É esse grupo que alerta para a chegada do fogo e despacha os bombeiros. Mas nem sempre é possível conter o incêndio. 

Tudo o que sabemos sobre:
LondresReino UnidoTerrorismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.