Centenas aguardam ressurreição de sacerdote suicida na Índia

Polícia foi impedida de realizar a autopsia e, agora, espera que o povo se convença de que ele não ressucitará

Efe,

24 de dezembro de 2007 | 10h47

Centenas de pessoas esperam, no centro da Índia, a ressurreição de um líder religioso que se matou no último sábado após prometer que voltaria à vida 72 horas depois. O sacerdote, um hindu de 25 anos, se matou no sábado na localidade de Raigarh, que fica na região indiana de Chhattisgarh.   "Manoj Baghel tomou veneno em um templo de Raigarh. Disse que voltaria à vida 72 horas depois", disse à agência indiana de notícias Ians o superintendente da polícia de Raigarh, J.K. Thorate.   Apesar de Baghel ter sido enviado a um hospital após ingerir o veneno, ele morreu e seus parentes retornaram com o seu corpo ao templo, onde o mantêm em um quarto trancado.   Após iniciar uma investigação, a polícia não conseguiu realizar a autópsia do corpo do religioso por causa da oposição da multidão, que aguarda agora sua ressurreição.   "Centenas de pessoas cercam o templo. Colocaram o sacerdote em um quarto fechado a chave e se negam a entregar seu corpo à Polícia. Muitos esperam que volte à vida na noite desta segunda", declarou Thorate.   A polícia espera o momento em que a multidão se convencerá de que o religioso não ressuscitará para poder realizar a autópsia.

Tudo o que sabemos sobre:
Índiaressurreiçãosuicídio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.