Centenas de habitantes de Yeonpyeong continuam em refúgios após ataque

Segundo imprensa sul-coreana ainda permanecem na ilha 1.300 dos 1.700 habitantes

Efe

24 de novembro de 2010 | 05h59

SEUL - Centenas de residentes da ilha sul-coreana de Yeonpyeong, atingida na terça-feira, 24, por cerca de 80 disparos da artilharia norte-coreana, ainda aguardam em refúgios nesta quarta-feira que a situação se normalize, enquanto os bombeiros tentam controlar vários incêndios.

Veja também:

video Vídeo: Veja imagens do ataque norte-coreano

blog Radar Global: O armistício de Pan-Mun-Jon

 especialInfográfico: As origens do impasse na península coreana

listaEntenda a crise entre os dois países 

Segundo o escritório de controle de desastres da cidade de Incheon, a cuja Prefeitura pertence a ilha, 70% das florestas e campos de Yeonpyeong foram destruídos pelo fogo.

As imagens das emissoras de televisão locais mostraram cerca de 20 de casas queimadas pelo ataque, que deixou dois militares sul-coreanos mortos e 18 pessoas feridas, sendo três civis.

As autoridades sul-coreanas continuam proibindo o acesso dos meios de comunicação à ilha.

Segundo a agência sul-coreana Yonhap, dos mais 1.700 habitantes civis de Yeonpyeong, ainda permanecem na ilha 1.300, enquanto 400 foram evacuados ao porto de Incheon, a cerca de 80 quilômetros de distância.

Dos que ficaram, cerca de 700 idosos e crianças ainda estão refugiados em abrigos de concreto pelo temor de novos ataques à ilha, na qual moram civis que vivem da pesca e do turismo, enquanto os militares dispõem de vários aquartelamentos de forma permanente.

O Exército enviou comida e água para os residentes e começa a recuperar as estruturas danificadas, enquanto o Governo prometeu ajuda econômica aos afetados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.