Giuseppe Lami/ Efe
Giuseppe Lami/ Efe

Centenas de imigrantes são resgatados em Lampedusa, na costa da Itália

Governo italiano volta a pressionar UE por nova política para lidar com crise migratória

O Estado de S. Paulo,

25 de outubro de 2013 | 09h32

ROMA - Navios da Marinha e da guarda costeira da Itália resgataram mais de 700 imigrantes nas águas entre a Sicília e o norte da África durante a noite, em mais um incidente da crise imigratória que já custou centenas de vidas neste mês.Barcos de patrulha conduziram cinco operações e entre os resgatados estão dezenas de mulheres e crianças, disseram autoridades nesta sexta-feira, 25.

Centenas de pessoas resgatadas foram levadas para um centro de recepção de imigrantes já superlotado na ilha de Lampedusa. O primeiro-ministro italiano, Enrico Letta, pressionou os líderes da União Europeia reunidos em Bruxelas a aumentar a ajuda a países do Mediterrâneo, incluindo Itália, Grécia e Malta, que têm recebido o maior impacto da crise migratória.

A Itália aumentou as patrulhas nas rotas marítimas entre Líbia e Tunísia e a Itália desde que mais de 360 imigrantes provenientes da Eritreia se afogaram no início de outubro, quando a embarcação em que estavam naufragou próximo a Lampedusa. Um segundo barco afundou uma semana depois, deixando uma estimativa de 200 pessoas desaparecidas.

O centro de recepção da ilha enfrenta dificuldades para lidar com a chegada de imigrantes em fuga da guerra civil na Síria e da crise política no Egito e outros países árabes e africanos, que têm lançado inúmeras pessoas em perigosas travessias do Mediterrâneo a bordo de precárias embarcações. Mais de 32 mil imigrantes realizaram a viagem até o sul da Itália via barco este ano, de acordo com a Organização das Nações Unidas. / REUTERS

 

Veja abaixo imagens dos naufrágios do começo do mês

Tudo o que sabemos sobre:
Itália

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.