Centenas de milhares de britânicos se despedem da rainha-mãe

Com pompa sem precedentes desde os funerais de Winston Churchill em 1965 e saudado por pelo menos 250 mil pessoas, o corpo da rainha-mãe foi levado nesta sexta-feira do Palácio de St. James para a sede do Parlamento britânico, onde ficará exposto à visitação até terça-feira - dia do sepultamento no Castelo de Windsor.Quase dois mil soldados ingleses, canadenses, australianos e neo-zelandeses e membros da família real integraram o cortejo, enquanto salvas de canhão eram disparadas do vizinho GreenPark.Sob o caixão, transportado em uma carruagem aberta puxada por seis cavalos, havia a bandeira pessoal da rainha-mãe e a coroa dela adornada com o célebre diamante Koh-i-Noor. Ao som demúsicas marciais, a carruagem avançou lentamente um trajeto de um quilômetro e meio pelo centro histórico da capital britânica.Era seguida de perto pelo príncipe Philip,marido da rainha Elizabeth II, os filhos dela, príncipes Charles herdeiro do trono, Andrew, Edward e Anne. Também participaram os filhos de Charles e da falecida princesa Diana, príncipes William e Harry, e o visconde Linley, filho da falecida princesa Margaret. A rainha Elizabeth aguardou a chegada do caixão no salão nobre do legislativo.A Scotland Yard colocou atiradores de elite em pontos estratégicos do trajeto para proteger os membros da família real.Nas imediações do Parlamento, formou-se logo uma fila de mais de cinco quilômetros de súditos que queriam dar o último adeus à rainha-mãe. A Scotland Yard acredita que pelo menos 400 mil pessoas desfilarão diante do caixão até terça-feira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.